terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Ouça cover inédito de Jimi Hendrix para 'Mannish Boy', de Muddy Waters
terça-feira, janeiro 16, 2018

(Foto: Mike Berkofsky / divulgação)
Um cover inédito feito por Jimi Hendrix para "Mannish Boy", original de Muddy Waters, foi divulgada nesta terça-feira (16). A faixa integra "Both Sides Of The Sky", álbum póstumo de Hendrix com 13 gravações feitas entre 1968 e 1970 - 10 delas são inéditas. O registro sai na íntegra em 9 de março.

Ouça "Mannish Boy" no player a seguir.



"Both Sides Of The Sky" fecha a trilogia de gravações raras de Jimi Hendrix, iniciada com "Valleys Of Neptune" (2010) e continuada por "People, Hell And Angels" (2013). O projeto é comandado pela Experience Hendrix, em parceria com a Legacy Recordings.

Confira, a seguir, a capa e a tracklist de "Both Sides Of The Sky".


01. Mannish Boy*
02. Lover Man*
03. Hear My Train A Comin'*
04. Stepping Stone*
05. $20 Fine*+
06. Power Of Soul^
07. Jungle*
08. Things I Used to Do#
09. Georgia Blues++
10. Sweet Angel*
11. Woodstock*+
12. Send My Love To Linda*
13. Cherokee Mist*

* inédita
^ versão estendida inédita
+ com Stephen Stills
# com Johnny Winter
++ com Lonnie Youngblood

Dolores O'Riordan, dos Cranberries, tentou suicídio em 2013
terça-feira, janeiro 16, 2018


A causa da morte da vocalista dos Cranberries, Dolores O'Riordan, ainda não foi divulgada. Entretanto, o site TMZ destacou uma evidência preocupante.

Segundo a publicação, a cantora tentou cometer suicídio, por meio de overdose, em 2013. Ela sofria de depressão e, na época, teve um colapso mental.

Além disso, segundo o TMZ, Dolores O'Riordan sofria de transtorno bipolar. Ela afirmava acreditar que seus problemas emocionais ocorriam devido a abusos que sofreu quando criança.

A informação divulgada pelo TMZ é apenas um resgate histórico sobre a trajetória de Dolores O'Riordan. Não há nenhum indicativo, até o momento, de que ela tenha cometido suicídio.

A cantora faleceu nesta segunda-feira (15), aos 46 anos, em Londres, na Inglaterra, onde a banda se encontrava para uma breve sessão de gravações. A família pediu privacidade neste momento e informou, apenas, que sua morte ocorreu de forma "repentina". A polícia trata o caso como "morte súbita", sem circunstâncias suspeitas.

Leia:
O comunicado da polícia sobre a morte de Dolores O'Riordan
Dolores O'Riordan morreu antes de gravar com banda de metal

Vocalista Oni Logan deixa o Lynch Mob pela 5ª vez
terça-feira, janeiro 16, 2018


O vocalista Oni Logan deixou o Lynch Mob pela quinta vez. A informação foi confirmada pelo próprio músico, em nota divulgada na internet.

"Estou muito orgulhoso de ter feito parte dos discos e da irmandade. Gostaria de agradecer aos fãs que continuaram a ir aos nossos shows pelos anos e pelo interesse no que tínhamos a dizer em nossos novos álbuns", disse.

Segundo Logan, seu 2018 será marcado por "um novo projeto com disco e turnê". Ele não justificou, ao certo, o motivo de sua quinta saída - as outras passagens pela banda ocorreram de 1989 a 1991, 2008 a 2011 e 2012 a 2013, além de um retorno relâmpago em 1998.

O disco mais recente do Lynch Mob, "The Brotherhood", saiu em setembro de 2017.

Eric Clapton diz sentir vergonha de antigos comentários racistas
terça-feira, janeiro 16, 2018


O guitarrista Eric Clapton disse, em uma sessão de perguntas e respostas que promoveu o documentário "Eric Clapton: Life In 12 Bars", que sente vergonha de ter feito alguns comentários racistas no passado. Um deles, o mais notório, foi feito em 1976, durante um show em Birmingham, Inglaterra - e, aparentemente, ainda deixa Clapton incomodado.

Mais consciente de suas afirmações, Eric Clapton destacou, após mais de 40 anos, a vergonha que sente por seus comentários. "Sabotei tudo com o que me envolvi. Estava tão envergonhado de quem eu era, um tipo de semi-racista, o que não fazia sentido. Metade dos meus amigos eram negros, namorei uma mulher negra e defendi a música negra", afirmou.

Assim como diversos momentos erráticos de sua carreira, Eric Clapton creditou essa situação ao abuso de álcool e drogas, algo que esteve presente durante, praticamente, toda a sua vida.

Mas o que ele disse em 1976?

Na ocasião, além de ter expressado apoio ao político Enoch Powell, considerado "nacionalista branco", Eric Clapton disse ao público de seu show que o Reino Unido estava se transformando em uma "colônia negra".

"Acho que Enoch está certo, acho que deveríamos mandá-los todos de volta. Impeçam o Reino Unido de se transformar em uma colônia negra. Tirem os estrangeiros. A Inglaterra é para brancos, cara. Somos um país branco. Essa é a Grã-Bretanha, um país branco. O que está acontecendo conosco, p*rra?", afirmou, durante o show.

As falas de Eric Clapton inspiraram a criação do movimento Rock Against Racism. Nos anos seguintes ao ocorrido, ele foi forçado, durante entrevistas, a lidar com suas palavras. Clapton já atribuía tais afirmações ao uso de álcool e drogas.

Eric Clapton está ficando surdo e com dificuldade para tocar

Polícia divulga comunicado sobre morte de Dolores O'Riordan, dos Cranberries
terça-feira, janeiro 16, 2018


A Scotland Yard, sede central da Polícia de Londres, Inglaterra, divulgou um comunicado nesta terça-feira (16) sobre a morte de Dolores O'Riordan, vocalista dos Cranberries. A corporação completou a parte inicial da investigação sobre o falecimento, ocorrido na última segunda-feira (15).

"A polícia em Westminster lidou com uma morte súbita. Oficiais foram chamados às 9h05 (manhã) na segunda-feira, 15 de janeiro, a um hotel em Park Lane. Uma mulher de 46 anos foi declarada morta no local. A morte não é tratada como suspeita", disse um representante a jornalistas.

No comunicado, a causa da morte ainda não é informada. Ainda será necessário algum tempo até que a investigação seja concluída e mais detalhes sejam apresentados.

Dolores O'Riordan morreu enquanto estava hospedada em um hotel em Londres para fazer uma breve sessão de gravação com a banda Bad Wolves. Eles registrariam, juntos, uma versão de "Zombie", clássico dos Cranberries.

- Leia: Dolores O'Riordan tentou suicídio em 2013

Dolores O'Riordan, dos Cranberries, morreu antes de gravar com banda de metal
terça-feira, janeiro 16, 2018


A vocalista Dolores O'Riordan, dos Cranberries, morreu horas antes de gravar com a banda de metal Bad Wolves, que conta com os músicos John Boecklin (ex-Devildriver) na bateria e Tommy Vext (ex-Divine Heresy, recente substituto de Ivan Moody no Five Finger Death Punch) nos vocais. Dolores registraria uma participação no cover que o grupo faria de "Zombie", um dos clássicos da carreira dela.

A informação foi revelada pelo próprio Tommy Vext, em publicação no Facebook. "Estamos chocados e tristes pela morte de Dolores, poucas horas antes de gravar os vocais em nossa versão de 'Zombie'. Sempre tivemos profundo respeito por ela como artista e vocalista, e ela nunca teve medo de mostrar sua alma em suas músicas e letras", afirmou Vext.

O músico complementa que, embora o Bad Wolves seja uma banda de som pesado, os músicos sempre sentiram que "a crueza e honestidade que ela (Dolores O'Riordan) projetava no palco e em suas gravações era algo que todas as bandas deveriam aspirar, independente do gênero".


A versão de "Zombie" faria parte do álbum de estreia do Bad Wolves, a ser lançado ainda neste ano pela Eleven Seven Music - cujo CEO, Allen Kovac, trabalhava como empresário dos Cranberries no passado.

Dolores O'Riordan morreu na última segunda-feira (15), aos 46 anos, em Londres, na Inglaterra, onde seria a gravação da música com o Bad Wolves. A causa do falecimento ainda não foi divulgada. A família pediu privacidade neste momento e informou, apenas, que ela se foi de forma "repentina".

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Joe Satriani criou G3 porque sucesso o isolou de todos
segunda-feira, janeiro 15, 2018

Da esquerda para a direita: Eric Johnson, Joe Satriani e Steve Vai (Foto: divulgação)
O guitarrista Joe Satriani afirmou ter criado o projeto G3, lançado inicialmente em 1996, porque o sucesso o isolou das pessoas, especialmente de seus amigos músicos. A revelação foi feita em entrevista à rádio 107.7 The Bone (transcrita pelo Blabbermouth).

Questionado se ele pensava que o G3 duraria por tanto tempo, Joe Satriani respondeu: "Sim, com certeza. Vou te dizer: toda a coisa começou comigo estando frustrado pelo sucesso me isolar de todo mundo, todos os meus amigos que eram músicos".

"Quando criança, sempre pensava que quando fosse um rock star, estaria saindo com todos os meus amigos, farreando, tocando guitarra, falando do meu próximo disco, mas o oposto estava acontecendo", explicou Satriani. "Sempre estava em outro país, outra cidade e meus amigos estavam em outro lugar e eu ficaria preso em um quarto de hotel, ou tocando as mesmas 20 músicas todas as noites. Pensei: 'isso não é legal, está me fazendo ficar menos social como guitarrista'."

Foi daí que surgiu a ideia para o G3. "Voltei e tive uma reunião com os caras da Bill Graham Management. Disse: 'o que podemos fazer para me formalizar fazendo uma jam com meus amigos?'. Era só uma ideia maluca. Algumas horas depois, disseram: 'Ok, podemos fazer nosso festival, mas não pode ser como o Lollapalooza ou algo grande, precisa ser controlável'", contou o guitarrista.

Satriani, então, contou que pensou em três guitarristas para o projeto porque "se fossem seis, tocando toda noite, todos tocariam 15 minutos". "Seria difícil atrair alguém como Steve Vai dizendo: 'você vai tocar 15 minutos, o que acha'. Ele diria: 'eu toco duas horas sozinho'. Montamos tudo para cada um tocar uma hora. Poderia tocar, promover seu novo disco, fazer o que quiser e, no fim, nos juntaríamos para uma jam de meia hora", afirmou.

Segundo o músico, foi difícil convencer empresários e promotores de eventos a comprarem a ideia, no auge do grunge e da música alternativa. "Isso foi em 1995. Demorou um ano para convencer outros artistas e empresários de que seria uma boa ideia ter três guitarristas tocando juntos toda noite. Todos os empresários diziam: 'não quero meu artista parecendo ruim diante de alguém'. Minha ideia era: basicamente, se eu estivesse na plateia, eu não ligaria. Se Jeff Beck, Eric Clapton e Jimi Hendrix aparecessem para tocar, eu ficaria muito satisfeito [...] Depois de 12 meses, fialmente consegui o 'sim' de Steve Vai e Eric Johnson", disse.

"Obra-prima", diz Bumblefoot sobre 'Chinese Democracy', do Guns N' Roses
segunda-feira, janeiro 15, 2018


O guitarrista Ron "Bumblefoot" Thal fez elogios a "Chinese Democracy", disco do Guns N' Roses lançado em 2008 e que contou com sua participação. Thal, que integrou a banda entre 2006 e 2014, disse à Radio Romania Timisoara que o álbum é uma "obra-prima".

Inicialmente, Bumblefoot foi questionado sobre suas contribuições a "Chinese Democracy". "A guitarra sem trastes (fretless), algumas das melodias e coisas do tipo... todos contribuíram muito. Há muitas pessoas. Acho que não haverá um disco - não só no rock, mas na música em geral - com tantas pessoas contribuindo com uma vasta gama de estilos e tempo para criar essa obra-prima. Realmente é", disse.

Thal, então, explicou por que enxerga "Chinese Democracy" como uma obra-prima. "Se você realmente dissecar tudo que se passa naquele disco, tem muita coisa. Há um equilíbrio frágil de tantas coisas que funcionam tão bem. O produtor Caram Constanzo, o cara com quem passava 14 horas por dia gravando a guitarra, é fantástico", afirmou.

Robb Flynn explica insultos racistas e homofóbicos em música do Machine Head
segunda-feira, janeiro 15, 2018


O frontman do Machine Head, Robb Flynn, explicou o uso de termos considerados ofensivos a negros e homossexuais no novo single da banda "Bastards". A faixa faz parte do álbum "Catharsis", que chega a público no dia 26 de janeiro, e faz uso de palavras como "faggots" e "niggers".

"É uma simples música folclórica para mim, são quatro acordes tocados milhões de vezes nos últimos 100 anos e ainda é a melhor forma de contar uma história. A canção é baseada em uma conversa que minha esposa e eu tivemos com nossos dois garotos, no dia após à eleição nos Estados Unidos. Foi uma conversa intensa e difícil", disse Robb Flynn, inicialmente, à Metal Hammer.

Flynn disse que ficou "realmente afetado" por isso e fez a letra de "Bastards" no dia seguinte. "Quando terminei, peguei uma guitarra e comecei a tocar os acordes e cantar o refrão. Gravei uma versão acústica no YouTube e pensei que seria só aquilo. Consegui dizer o que queria e buscava termos vulgares que estava ouvindo usarem contra", afirmou ele.

Segundo Flynn, a ideia não era colocar "Bastards" no disco. "O Machine Head sempre teve músicas empoderadas, mas a ideia de marcar território e não deixar os desgraçados te derrubarem aparece em
outras músicas - 'Catharsis', 'Hope Begets Hope', 'Eulogy' - e amarrou o disco", disse. No fim das contas, a faixa entrou na tracklist final, em uma regravação com toda a banda.

Confira, clicando aqui, a letra completa de "Bastards" (em inglês). Ouça a música no player abaixo.

Morre a vocalista Dolores O'Riordan, dos Cranberries
segunda-feira, janeiro 15, 2018


A vocalista dos Cranberries, Dolores O'Riordan, morreu aos 46 anos. A informação foi confirmada por um representante e divulgada pelos sites Daily Mail e Irish Times.

Dolores faleceu em Londres, na Inglaterra, onde a banda se encontrava para uma breve sessão de gravações. A causa da morte não foi informada. A família pediu privacidade neste momento.

Os Cranberries começaram suas atividades em 1989 e foram um dos grandes nomes do rock alternativo da década de 90. O último trabalho a ser lançado pelo grupo, até então, foi "Something Else", uma coletânea com regravações em formato acústico, em 28 de abril de 2017.