quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Paul Gilberto Trio se apresenta no Brasil em 2017
quarta-feira, dezembro 07, 2016


A produtora Free Pass Entretenimento confirma a turnê do exímio guitarrista norte-americano Paul Gilbert trio para o início de 2017. As cidades confirmadas até o momento são Brasilia, Belo Horizonte e São Paulo.

Os shows fazem parte da turnê de divulgação de seu novo álbum “I Can Destroy” lançado em Maio deste ano. Além de algumas faixas de “I Can Destroy”, o trio executará canções do Mr.Big, Racer-X, e também clássicos do rock mundial.

Paul Gilbert virá acompanhado do baterista Thomas Lang (Glenn Hughes, Tina Turner, Robbie Williams) e do baixista Pete Griffin (Zappa Plays Zappa, Steve Vai).

SERVIÇO 

BRASÍLIA - DF 
Paul Gilbert trio “I Can Destroy - World Tour 2017”
Data: 28 de Janeiro 2017, Sábado.
Horário: 21h.
Local: Local: Clube da APCEF
Endereço: SCEN - Setor de Clubes Esportivos Norte, trecho 03 conjunto 03, lotes 2A/2B, SCEN – Brasília-DF
Classificação etária: 16 anos.

Informações e compra de ingressos 

SETORES PREÇOS (R$) 
PISTA 1º Lote 160,00
PISTA 1º Lote (meia-entrada) 80,00
PISTA 2º Lote 200,00
PISTA 2º Lote (meia-entrada) 100,00
PISTA 3º Lote 240,00
PISTA 3º Lote (meia-entrada) 120,00
MEZANINO 320,00
MEZANINO (meia-entrada) 160,00

Inicio das Vendas 

A venda de ingressos foi iniciada no dia 02 Dezembro de 2016.

Pontos de venda (Somente em dinheiro, sem taxas) 

Loja Porão Rockwear - Alameda Shopping em Taguatinga

GTR Instituto de Guitarra - Asa Sul

*A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais.
*Será expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras de qualquer tipo, tanto amadoras como profissionais ou semi-profissionais.

BELO HORIZONTE - MG 
Paul Gilbert trio “I Can Destroy - World Tour 2017”
Dia: 29 de Janeiro 2017, Domingo
Horários: Portas 19h / Paul Gilbert trio 20h30.
Local: Studio Bar
Endereço: Rua Guajajaras, nº 842 - Centro / Belo Horizonte-MG
Classificação etária: 18 anos.

Informações e compra de ingressos 

SETORES PREÇOS (R$) 
PISTA 1º Lote 180,00
PISTA 1 Lote inteira promocional 130,00
PISTA meia-entrada 90,00

Meia entrada: Disponível somente 40% da capacidade da casa de show. Ingresso para menores de 21 anos e maiores de 60 anos (mediante rg) e estudantes (devidamente matriculados no ano vigente do evento). Documento para comprovação estudantil: Carteira estudantil com foto e data de validade.

Inteira promocional: Ingressos limitados, e quando disponível, qualquer pessoa pode comprar.

Inicio das Vendas 
A venda de ingressos foi iniciada no dia 02 Dezembro de 2016.

Online 
Vendas online pela Sympla - https://www.sympla.com.br/paul-gilbert__105662
Formas de pagamento: À vista nos cartões de crédito e débito, ou boleto bancário*

Pontos de venda (sem taxas) 
Bateras Beat
Av. Do Contorno, 3418 - Santa Efigênia - Tel (31) 3327.4300
Forma de pagamento: Somente em dinheiro

Tesla Studio
Rua Chapecó, 496 - Prado - Tel (31) 98978.8498
Forma de pagamento: Somente em dinheiro

Mais informações:
https://www.facebook.com/events/1449978531694162/

Whatsapp: (31) 99192-6882

*A produção do evento NÃO se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais.
*Será expressamente proibida a entrada com câmeras fotográficas e filmadoras de qualquer tipo, tanto amadoras como profissionais ou semi-profissionais.

SÃO PAULO – SP 
Paul Gilbert trio “I Can Destroy - World Tour 2017”
Data: 31 de Janeiro 2017, Terça-feira
Horários: Portas 20h / Show 22h.
Local: Carioca Club (www.cariocaclub.com.br)
Endereço: Rua Cardeal Arcoverde, 2.899 - Pinheiros - São Paulo/SP
Telefones: (11) 3813-8598 / 3813-4524 / 3814-5711
Classificação etária: 16 anos / Menores de 14 ou 15 anos somente acompanhados de um dos pais ou responsável legal, mediante apresentação de documento oficial (e original) com foto.

Informações e compra de ingressos 

SETORES PREÇOS (R$) 
PISTA 1º Lote 160,00
PISTA 1º Lote (meia-entrada) 80,00
PISTA 2º Lote 180,00
PISTA 2º Lote (meia-entrada) 90,00
PISTA 3º Lote 200,00
PISTA 3º Lote (meia-entrada) 100,00
MEZANINO 300,00
MEZANINO (meia-entrada) 150,00

As vendas tiveram inicio no dia 02 de dezembro, sexta-feira, somente pelo site do Clube do Ingresso e seus respectivos pontos de venda oficiais.

Online 
Clube do Ingresso – www.clubedoingresso.com/paulgilbert, à vista nos cartões (Visa ou Master) , cartões de débito Bradesco, ou também por boleto bancário.

Pontos de venda 
Carioca Club - Ponto de venda SEM taxas de serviço
Forma de pagamento: Somente em Dinheiro.

Outros pontos de venda (sujeitos a cobrança de taxas de serviço)
http://www.clubedoingresso.com/ondecomprar

*Será expressamente proibida a entrada de câmeras fotográficas amadoras, profissionais e semi-profissionais, e filmadoras de qualquer tipo.
*A organização do evento não se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais.

Jason Mraz é destaque do Festival Planeta Brasil 2017
quarta-feira, dezembro 07, 2016


Baseado em grandes festivais internacionais, o Planeta Brasil chega, em 2017, a sua 6ª Edição, com 4 palcos, e vários estilos musicais. O evento realizado pela SleepWalkers Entretenimento (SW), já reuniu mais de 80 mil pessoas e promete esquentar ainda mais o verão em Belo Horizonte.

Marcado para o dia 28 de janeiro, na Esplanada do Mineirão, o Planeta Brasil é considerado o maior festival de música de Minas Gerais e recebe, como destaque, o cantor, violinista e compositor, Jason Mraz.

A mistura musical brasileira também faz parte do lineup do Festival. O rock nacional ficará por conta das bandas Raimundos e Skank. Quem canta a poesia do rap é o promissor Projota e o grupo revelação 3030.

O reggae de raiz não poderia faltar, portanto, a banda Natiruts, traz sua nova turnê que mistura reggae e cultura urbana. Para os fãs do rap rock, nada melhor que matar a saudade do Planet Hemp e cantar junto com Marcelo D2 e BNegão.

Já os shows internacionais ficam por conta dos cantores norte-americanos Donavon Frankenreiter e Slightly Stoopid, ambos da California, além é claro da apresentação de Jason Mraz.

Para entrar em um mundo paralelo, os Djs Ilusionize, Tropkillaz, Gabriel Boni, DirtyLoud, Chapeleiro e mais, dão o som da batida no Howdeep Stage, que será destinado aos amantes da música eletrônica.

O evento conta com uma estrutura de quatro palcos, que serão distribuídos em uma área de mais de 40mil m² da esplanada. A área será dividida entre Pista, Pista Premium Open Bar e Camarote Open Bar & Food. O evento também terá praça de alimentação com mais de 20 foodtrucks, espaço de arte, lounges para descanso, e muito mais.

Serviço - Planeta Brasil 2017
Data: 28/12/2017
Local: Esplanada do Mineirão
Horário: Após às 12h

Valor dos ingressos:
Pré-venda iniciada no dia 05/12/2016.
Pista Meia: R$ 90,00
Pista Inteira: R$ 180,00
Pista Premium Meia Feminino: R$180,00
Pista Premium Meia Masculino: R$ 220,00
Camarote Meia Feminino: R$ 290,00
Camarote Meia Masculino: R$ 390,00

Pontos de venda:
Site Sympla
Chilli Beans - sem taxa de conveniência : Pátio, Diamond, BH Shopping e Shopping Estação BH - venda somente em dinheiro.
Montes Claros/MG - BR Mania - Av. Dep. Esteves Rodrigues, 1121 - Todos Os Santos, Montes Claros
Juiz de Fora/MG - Loja Necta Boards - Av. Deusdedith Salgado, 3955 - Juiz de Fora

Randy Rhoads: uma reveladora entrevista da mãe após a morte dele
quarta-feira, dezembro 07, 2016


Randy Rhoads foi um fenômeno da guitarra. Meteórico, faleceu na mesma velocidade em que surgiu. O músico se destacou ao lado de Ozzy Osbourne entre 1980 e 1982, mas, no dia 19 de março de 1982, aos 25 anos, morreu em um acidente aéreo.

Poucos meses depois, em 5 de agosto de 1982, a mãe de Randy, Delores, aceitou dar uma entrevista ao jornalista Jas Obrecht. Ela fez algumas revelações ao longo do bate-papo, desde o motivo pelo qual imagina que o Quiet Riot, banda que Randy Rhoads, não havia dado certo até então (o grupo só estourou em 1983) até a última conversa que teve com o filho.

Antes de apresentar a entrevista, vale destacar que Delores Rhoads foi a grande entusiasta da carreira musical de Randy. Ela era formada em música pela University of California, Los Angeles (UCLA), tocou piano profissionalmente por alguns anos e tinha uma escola de música em North Hollywood, chamada Musonia.

Delores Rhoads também já faleceu, entretanto, ela se foi bem depois de Randy. Ela morreu em novembro de 2015, aos 95 anos.

Veja, abaixo, os principais trechos da entrevista.

Os interesses de Randy Rhoads fora da música:

Delores Rhoads: "Bem, a música foi a vida toda dele. Ele só queria fazer aquilo e tocava muito. Quando tinha 12 ou 13 anos, o grupo dele tocava em festas e piqueniques. Ele já tocava muito aos 12 anos. E eu ia com ele. Ajudava a carregar o equipamento (risos) porque não queria que eles saíssem por aí sozinhos."

(Posteriormente, na entrevista, ela lembrou que, nos últimos anos de Randy, ele se interessava em colecionar pequenas réplicas de trens. "Ele fazia aqueles pequenos modelos, com as casinhas e tudo. Acho que o ajudava a relaxar da tensão", disse)

Sobre o período com o Quiet Riot:

Delores Rhoads: "Eles eram muito populares aqui por Los Angeles. Tinham um empresário que fez dois álbuns com eles [...] e que foram lançados no Japão. Era para terem feito uma turnê, mas nunca aconteceu. Acho que o empresário não era tão bom quanto deveria ser. Mas eles tocavam muito aqui em Los Angeles. Quatro ou cinco noites por semana, todas as semanas, eram muito populares. Como os outros grupos, tentavam um contrato com uma gravadora. Randy fazia todas as músicas e o vocalista (Kevin DuBrow) fazia muitas letras."

A rotina puxada antes de entrar para a banda de Ozzy:

Delores Rhoads: "Ele dava aulas de música durante o dia até o momento em que saía para tocar (com o Quiet Riot), por volta das 19h. Eles não tocavam tanto em segundas e terças-feiras, pois os shows começavam nas quintas-feiras e iam pelo fim de semana. E eles tinham uma noite para ensaios, de quarta-feira. Nos dias em que não tocava, dava ainda mais aulas. [...] Era uma agenda pesada."

Veja também: Ozzy Osbourne seria tão grande sem seus guitarristas?

Randy morou com a mãe por todo o tempo:

Delores Rhoads: "Ele viveu aqui por todo o tempo, até quando estava na banda de Ozzy. Ele não ficava em casa, por estar na estrada e na Inglaterra. Os discos foram feitos na Inglaterra, então ele morou um tempo com Ozzy. E lá ele tinha o ótimo contrato de dois anos e meio."

A entrada para a banda de Ozzy Osbourne:

Delores Rhoads: "Ozzy procurava por um guitarrista. Esteve em Nova York e Los Angeles por semanas e estava prestes a voltar para a Inglaterra. Um baixista local que conhecia Randy (Dana Strum, que depois se consagrou no Vinnie Vincent Invasion e Slaughter) o indicou. Ele estava dando aulas, então liguei para avisá-lo. Ele não quis ir, mas eu disse 'você quer conhecer pessoas como essas, mesmo que não se materialize, é bom para conhecê-los, especialmente Ozzy'. Praticamente insisti. Ele aceitou, mas disse que só estaria lá por volta de meia-noite, pois daria aula até 22h30. Os rapazes disseram que o esperariam."

"Ele levou um pequeno amplificador e pensou que não daria em nada. Quando voltou, disse que não sabia o que havia acontecido. Ele disse: 'Toquei dois minutos e Ozzy disse que o emprego era meu'. Ele falou que ligaria para Randy em duas semanas, mas logo voltou para a Europa, o que o desanimou. Mas ele ligou. Ozzy perguntou se ele poderia se mudar para a Inglaterra, mas Randy disse que estava gripado e precisava melhorar. Mesmo bebê, ele tinha problemas respiratórios. Teve pneumonia nos tempos de Quiet Riot. Mas depois deu tudo certo. Enquanto isso, Randy obteve seu passaporte e a documentação necessária para se mudar."

Veja também: O razoável "Diary Of A Madman", de Ozzy Osbourne

A rápida ascensão da popularidade de Randy:

Delores Rhoads: "Foi tão rápido. Foram tantas ligações e cartas. Ainda recebo ligações de pessoas que querem alguma conexão com Randy, e sou essa conexão, por ser a mãe dele. Só querem algo. Conversar comigo ou saber algo dele, pessoal. Ele estava tentando se estabelecer, o que era difícil, pois Ozzy era a estrela. Não acho que ele tenha pensado que estava fazendo seu trabalho tão bem."

A última vez em que ela falou com Randy:

Delores Rhoads: "Ele precisava sair em uma segunda (15/03/1982) e morreu em uma sexta-feira (19/02/1982). E estava doente de novo. Só passou uma semana em casa (entre os dias 6 e 15/03/1982) e tirou os dentes do siso durante esse período. Antes, havia tirado um dos dentes enquanto estava em turnê. Não sei o que o dentista fez quando os arrancou, mas Randy ficou muito mal. Então, aqui ele fez a cirurgia para tirar os outros, mas ficou ainda pior. E no fim da semana ainda pegou uma gripe - típico de Randy. Quando ele saiu, estava doente. Eu disse: 'por favor, me ligue quando chegar'. E ele ligou. (Delores começa a chorar) Foi a última vez que falei com ele. (Longa pausa) A noite de segunda-feira antes de ele ter morrido."

Quem foi ao funeral:

Delores Rhoads: "Se Ozzy foi? Oh, sim! Todos foram. Toda a banda, eles carregaram o caixão. As pessoas importantes da Jet Records também, Don Arden e Sharon. Os membros do Quiet Riot. Rudy (Sarzo, baixista) estava em ambos, porque Randy trouxe Rudy para a banda de Ozzy."

Veja também: Quando Ozzy Osbourne se aposentou, mas logo desistiu

Guitarrista do Red Hot Chili Peppers filma fãs ao invés de tocar solo
quarta-feira, dezembro 07, 2016


O guitarrista Josh Klinghoffer protagonizou um momento inusitado durante um show do Red Hot Chili Peppers, em Turim, Itália. O show ocorreu em outubro deste ano, mas um vídeo multi-cam só foi divulgado há alguns dias.

Enquanto a banda tocava a música "Californication", Josh Klinghoffer deixou de tocar o solo para filmar a reação da plateia. Aparentemente, foi um protesto por parte do músico, visto que havia muitas pessoas filmando a apresentação - o problema é que o público gostou.

Assista:

Dee Snider lança clipe em apoio a protestos em Standing Rock
quarta-feira, dezembro 07, 2016


O vocalista Dee Snider lançou um novo videoclipe para a música "So What". A canção faz parte do álbum mais recente do cantor, "We Are The Ones".

No clipe, Dee Snider presta apoio aos membros da reserva indígena de Standing Rock, nos Estados Unidos. O local pode receber um oleoduto que impactaria as fontes de água potável de seus residentes.

Assista:

Metallica lança vídeo profissional de "Fade To Black" em show beneficente
quarta-feira, dezembro 07, 2016


Um vídeo pro-shot do Metallica tocando "Fade To Black", durante um show intimista feito no Opera House em Toronto, Canadá, no último dia 29, foi disponibilizado no canal da banda no YouTube.

O Metallica doou a renda do show, feito para 950 pessoas, à instituição de caridade Daily Bread Food Bank, que trabalha contra a fome na cidade. A banda também arrecadou alimentos não-perecíveis, trazidos pelo público.

Assista:

Em show, Steve Vai passa a guitarra para Andy Timmons na plateia
quarta-feira, dezembro 07, 2016


Durante um show em Dallas, Estados Unidos, no último domingo (4), Steve Vai contou com um fã ilustre na plateia: o também guitarrista Andy Timmons, que já chegou a excursionar com Vai no G3.

Enquanto tocava "Fire Garden Suite", Steve Vai desceu do palco, foi até a plateia e entregou a guitarra para Andy Timmons. O músico, por sua vez, improvisou um solo por cima da canção.

Veja:

Dave Mustaine convoca bandas para nova turnê do Big 4
quarta-feira, dezembro 07, 2016


O líder do Megadeth, Dave Mustaine, resenhou o novo disco do Metallica, "Hardwired...To Self-Destruct". E, ao fim do texto, convocou Anthrax e Slayer, além de sua ex-banda, para uma nova turnê do Big 4.

"Ter todo o Big Four lançando grandes discos em cerca de doze meses é realmente muito legal. Agora a grande questão é se forças maiores permitirão que nós quatro possamos nos reunir e fazer mais shows", disse.

Veja também: Kerry King diz que rivalidade no Big 4 acabou - exceto para Dave Mustaine

Mustaine se disponibilizou até a reconsiderar os planos do Megadeth, caso a ideia vingue. "Temos muitas coisas grandes vindo por aí e projetos para a Asia e Estados Unidos para o próximo ano, mas se o Big Four reviver provavelmente reconsideraremos as coisas, pois é muito mais divertido e um grande evento que têm precedência sobre outra turnê. Ver quatro das maiores bandas de heavy metal de todos os tempos é algo que você vai contar para os netos", afirmou.

M. Shadows explica mudança de baterista no Avenged Sevenfold
quarta-feira, dezembro 07, 2016


O vocalista M. Shadows explicou, em entrevista ao podcast "That's Not Metal", o motivo pelo qual houve a mais recente mudança de bateristas na banda. Brooks Wackerman (Bad Religion) entrou no lugar de Arin Ilejay.

"Brooks é mais velho que nós. O respeitamos e não faríamos essa mudança sem saber que seria a correta. Pessoas que não sabiam da situação diziam 'oh, mudança de bateristas de novo'. Mas estávamos fazendo uma juste necessário para chegar a um ponto que nos desse orgulho, com um cara que recebe ideias e oferece ideias", afirmou.

Veja também:
- Resenha: Avenged Sevenfold permite-se 'renascer novamente' em "The Stage"
Novo disco do Avenged Sevenfold decepciona e estreia em 4° nas paradas dos EUA

Shadows, é claro, elogiou Brooks Wackerman durante a entrevista. "Ele é esperto, um ótimo cara para se estar próximo e um fantástico baterista. Sabíamos que seríamos pressionados pelas mudanças, mas provamos que estávamos fazendo tudo nos bastidores. Obviamente, tivemos que anunciar antes, em respeito ao Bad Religion e a Arin, que precisavam seguir em frente", disse.

O cantor também falou, de forma mais específica, sobre a saída de Arin Ilejay. "Ele se distanciou com o tempo. É como passar do período de lua-de-mel e notar que nós quatro temos uma forma de trabalhar e há alguém que não se encaixa. E ele é muito legal, então, essas coisas não nos representavam. Sugeri Brooks Wackerman e foi engraçado, porque o conhecemos há muito tempo, mas parecia algo ousado, por ele já estar em uma banda. Jogo golfe com os caras do Bad Religion. Parecia bizarro, mas aconteceu e ele também queria algo diferente", afirmou.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Metallica quis ser mais resumido em "Hardwired...To Self-Destruct"
terça-feira, dezembro 06, 2016


O baterista Lars Ulrich disse, em entrevista ao radialista japonês Masa Ito, que o Metallica quis ser mais resumido em "Hardwired...To Self-Destruct". Ele faz menção ao processo de produção do álbum anterior, "Death Magnetic" (2008).

Ulrich citou que "Death Magnetic" foi o sucessor de "St. Anger" (2003). "Acho que 'St. Anger' foi um disco de conexão. Fizemos quatro álbuns em quatro anos - 'Load' (1996), 'Reload' (1997), 'Garage Inc.' (1998) and 'S&M' (1999) - e tivemos problemas. 'St. Anger' foi um experimento, estávamos voltando a tocar juntos e descobrindo quem éramos", afirmou.

Veja também:
- Novo disco do Metallica tem bons momentos, mas passa longe do excepcional
- James Hetfield fala sobre relação com Lars Ulrich

O músico, então, citou a chegada de Rick Rubin, produtor de "Death Magnetic". "Sentamos naquela em uma sala por meses e falamos muito sobre para onde gostaríamos de ir. Ele nos encorajou a nos deixar mais loucos e longos e... ele sempre dizia 'deixe isso mais ridículo'. Foi a proposta de 'Death Magnetic'. Foi como o grito de guerra", disse.

Lars justificou a proposta de "Hardwired...To Self-Destruct". "Nesse disco, queríamos ser mais resumidos, fazer o processo de composição ser menos ridículo, mais conciso. Diria mais 'econômico'", afirmou.

Por fim, ele comparou "Death Magnetic" e "Hardwired...To Self-Destruct". "Em 'Death Magnetic', fizemos vários encontros, tivemos várias reuniões. Em 'Hardwired...', não houve reunião. Apenas chegamos e tocamos. Só falamos sobre isso depois de 3/4 do disco estar pronto. Amo Rick, não mudaria nada em 'Death Magnetic', mas o álbum de agora nos beneficiou no que diz respeito a apenas tocar e pronto. Foi tudo mais orgânico e com o coração", disse.