quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Aerosmith, dono da única música de rock a estrear em 1° nas paradas dos EUA
quarta-feira, agosto 31, 2016


O Aerosmith é a única banda de rock a ter uma música que estreou em primeiro lugar nas paradas de singles da Billboard, a Hot 100. O hit responsável por isso foi "I Don't Want To Miss A Thing", tema do filme "Armageddon" (1998). Além do grupo americano, somente outros 25 artistas conseguiram tal feito em décadas de história.

A maior parte dos demais artistas que conseguiram o feito é da música pop. Os de maior destaque são Michael Jackson (com "You Are Not Alone", em 1995), Mariah Carey (com três músicas, entre 1995 e 1997) e Britney Spears (com duas músicas, entre 2009 e 2011). Astros em diferentes momentos de sua carreira.

O feito conquistado pelo Aerosmith com "I Don't Want To Miss A Thing", chama a atenção. Não só por ter sido a única banda de rock a conseguir isso na parada que é considerada a mais importante e influente do mundo, mas também pelo momento pelo qual o grupo passava.


O Aerosmith vinha de um período conturbado desde o início da concepção de "Nine Lives", lançado em 1997. Uma semana antes do álbum começar a ser gravado, ainda em 1996, o baterista Joey Kramer foi diagnosticado com uma depressão profunda, em função da perda de seu pai. O período de pré-produção e até de gravação foi feito com Steve Ferrone até que Kramer retornasse.

O empresário Tim Collins, por sua vez, estava bancando o "leva-e-traz". Ele estava sendo um dos responsáveis por provocar brigas homéricas entre os integrantes, em especial Steven Tyler e Joe Perry. No fim das contas, acabou demitido. Os músicos afirmam que, se Collins não tivesse sido dispensado, a banda poderia ter acabado naquele período.

O resultado inicial de "Nine Lives" não empolgou os executivos da gravadora, Columbia Records. Com isso, o lançamento, que era previsto para o meio de 1996, foi adiado para março de 1997. Tempo suficiente para que Joey Kramer voltasse a seu posto e regravasse o que havia sido feito por Steve Ferrone.


Apesar de todo o desgaste, "Nine Lives" chegou a público e registrou boas vendas, mas não emplacou como o sucessor "Get A Grip". O Aerosmith precisava de um impulso. É aí que entra "I Don't Want To Miss A Thing".

Composta por Diane Warren, para o filme "Armageddon", "I Don't Want To Miss A Thing" não foi concebida para o Aerosmith. A música seria registrada por Celine Dion. O refrão, por sua vez, não é inédito. Lembra muito outra faixa de autoria de Warren: "Just Like Jesse James", lançada por Cher em 1989.

Por um daqueles acidentes de percurso que todos comemoram ao fim, a canção foi parar no colo de Steven Tyler e sua banda.

Aliás, se o acaso trouxe Steven Tyler até "Armageddon", o destino acabou por fazer uma obra completa. Foi o filme que mostrou Liv Tyler, filha do cantor, para o mundo. Ela já havia feito alguns trabalhos de destaque, como "The Wonders - O Sonho Não Acabou" (1996) e no clipe de "Crazy", do Aerosmith. No entanto, nada que oferecesse tanta proporção a Liv.


Apesar de ter recebido críticas negativas por parte da imprensa especializada, "Armageddon" foi um sucesso de bilheteria. Foram mais de US$ 553 milhões em faturamento. Acabou como o filme de maior arrecadação de 1998.

Outras três músicas gravadas pelo Aerosmith aparecem na trilha sonora de "Armageddon":

1) "What Kind of Love Are You On", inédita. Sobra do álbum "Nine Lives" e foi composta por Steven Tyler, Joe Perry, Jack Blades e Tommy Shaw - os dois últimos, parceiros na banda Damn Yankees.


2) "Sweet Emotion", um dos clássicos de Tyler, Perry e companhia da década de 1970, em sua versão remixada por David Thoener e relançada em 1991.


Inscreva-se no Whiplash.Net no YouTube 3) "Come Together", cover do clássico dos Beatles gravado pela banda em 1978.


Inscreva-se no Whiplash.Net no YouTube "I Don't Want To Miss A Thing" não é, exatamente, uma música de rock. Está um pouco inclinada para o pop, ainda que com sofisticação, visto que o instrumental é acompanhado por uma orquestra.

No entanto, foi gravada pelo Aerosmith, o que a torna, de certa forma, uma canção do gênero. Por acaso, é a única do estilo a estrear no topo das paradas de rock. E a responsável por reerguer, mais uma vez, uma banda que, de novo, passou perto de acabar.

Veja também:

- Reflexões sobre "Rocks" e "Pump", os dois auges do Aerosmith
- Os 50 melhores discos de hard rock do século 21
- Disco solo de Steven Tyler é menos country e mais agradável do que se pensa

Gene Simmons volta a dizer que Prince escolheu morrer
quarta-feira, agosto 31, 2016


Gene Simmons, vocalista e baixista do KISS, voltou a criticar a forma que Prince morreu. O astro pop foi encontrado morto, devido a uma overdose de analgésicos, no dia 21 de abril, em um elevador.

"Olha, mantenho o que disse. É muito triste que essas pessoas... essa geração e a anterior acreditem que drogas são uma parte de suas vidas e eu rejeito isso. Você brinca com fogo, você vai se queimar", disse Gene Simmons.

O baixista reforçou que conhecia Prince e também David Bowie. "Bowie morreu de uma doença. Prince morreu por conta de drogas. Assim como Michael Jackson. As drogas mataram os dois. Mas foi uma escolha. E é triste que o caminho tenha sido este, porque existem muitas razões para viver. Fere os fãs e a todos. Drogas são uma coisa egoísta. Mantenho o que disse, que ele morreu por uso de drogas. Pessoas ficam tristes, mas foi o motivo", afirmou.

Em maio deste ano, Gene Simmons causou polêmica ao comentar a morte de Prince. "Suas drogas o mataram. O que você acha, que ele morreu de gripe?", disse Simmons, que afirmou, ainda, que foi "patético que ele tenha se matado. Não se engane, foi o que ele disse. De forma lenta, garanto a você - mas é o que drogas e álcool são: uma morte lenta". O músico chegou a pedir desculpas, mas parece não estar tão arrependido assim.

Veja também:

- Prince estava com Aids e se preparando para morrer, afirma jornal
- Prince deixa fortuna de R$ 1 bilhão sem herdeiro

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Alice Cooper lamenta morte do ator Gene Wilder
terça-feira, agosto 30, 2016


Em uma publicação nas redes sociais, Alice Cooper lamentou a morte do ator Gene Wilder. Os dois contracenaram juntos na série "Something Wilder", em um episódio chamado "Hangin' With Mr. Cooper", de 1995.

"Considero o trabalho com Gene Wilder em seu sitcom 'Something Wilder' como uma das memórias mais preciosas de toda a minha carreira. Fazer isso com Gene foi como tocar em uma jam com os Beatles. Não dá para ser melhor. Gene Wilder é insubstituível e será, para sempre, um tesouro americano", afirmou Cooper.

Gene Wilder se notabilizou por diversos trabalhos no cinema, em especial por ter interpretado Willy Wonka na versão original do filme "A Fantástica Fábrica de Chocolates", em 1971.

O ator faleceu em decorrência a problemas relacionados ao Mal de Alzheimer, que já o acometia a algum tempo. Ele tinha 83 anos.

Veja a publicação de Alice Cooper e parte de sua participação em "Something Wilder":



Jeff Loomis fala sobre testes para entrar no Megadeth e na banda de Ozzy
terça-feira, agosto 30, 2016


O guitarrista Jeff Loomis (Arch Enemy, ex-Nevermore) relembrou, em entrevista à Sweden Rock Magazine, suas audições para vagas de guitarrista no Megadeth e na banda de Ozzy Osbourne. O músico fez dois testes para o grupo de Dave Mustaine, nas décadas de 1980 e 2000, e perdeu a vaga para Gus G. quando tentou tocar com o Madman.

Sobre a audição com Ozzy Osbourne, Jeff Loomis disse que foi até Los Angeles e tocou cinco músicas com a banda, enquanto era observado por Ozzy e sua esposa e empresária, Sharon. "Ele disse que eu tocava de forma fantástica, então, Sharon perguntou a minha idade. Disse que eu tinha 38 e ela respondeu 'oh, ok, obrigado'. Ali eu soube que eles estavam procurando por alguém mais jovem", afirmou.

Ainda que não fosse tão jovem quanto Ozzy e Sharon Osbourne procuravam, Jeff Loomis acreditou que ficaria com a vaga. "Toquei muito bem todas as músicas. Um mês depois, ouvi que Gus G. ficou com a vaga, então fiquei um pouco chateado. Seria legal ser o último guitarrista de Ozzy. Seria como um legado, mas, infelizmente, não fiquei com a vaga", afirmou.

Jeff Loomis também relembrou suas audições com o Megadeth. A primeira aconteceu em 1988, quando tinha apenas 16 anos, mas Loomis era "jovem demais" para a vaga, segundo ele próprio. "Tive outra oportunidade em 2008. Durante o Gigantour, em 2005, Glen Drover tocava na banda e não queria estar lá. Por volta de 2008, eu estava em estúdio para gravar meu primeiro álbum solo quando Dave Mustaine me ligou. Ele me convidou para tocar dois shows, porque Glen não poderia fazê-los", afirmou.

Loomis não aceitou o convite. "Disse a ele que estava no meio de uma gravação. Eu, literalmente, havia acabado de entrar em estúdio e estava para gravar a primeira faixa de meu primeiro álbum solo. Disse que não poderia. No dia seguinte, eles tinham outro guitarrista, que era Chris Broderick. Então, tive outra oportunidade, mas foi minha culpa. Estraguei tudo e foi isso", disse, aos risos.

Veja também:

- Ozzy Osbourne seria tão grande sem seus guitarristas?

Judas Priest pode estar trabalhando em mais de um novo disco
terça-feira, agosto 30, 2016


O Judas Priest pode estar trabalhando em mais de um sucessor para "Redeemer Of Souls", lançado em 2014. Em entrevista ao jovem radialista Miles "The Shoe" Schuman, o baterista Scott Travis falou sobre o assunto.

"Estamos, definitivamente, trabalhando em um novo álbum. Talvez até mesmo em mais de um. Mas vamos ver. Isso sempre toma muito tempo", disse Scott Travis.

Durante a entrevista, Scott Travis também relembrou a passagem de Tim "Ripper" Owens pela banda e como ele entrou na formação, em substituição a Rob Halford, na década de 1990.

"Vi Ripper em uma banda cover, British Steel, que era um tributo ao Priest. Ele me chamou para o palco e tocamos algumas músicas. Então, quando o Priest estava voltando, por volta de 1995, havia uma lista de cantores para a audição. Mostrei a fita de Ripper e Glenn Tipton pensou que era Rob Halford cantando", disse Travis.

16 grandes discos solo de vocalistas de hard rock
terça-feira, agosto 30, 2016


Os vocais são um dos grandes atrativos do hard rock, especialmente em sua ramificação oitentista. Cantores do gênero dão um show à parte, tanto em extensão vocal quanto em performance. Alguns são, também, habilidosos compositores.

Muitos tentaram se aventurar em carreiras solo com o intuito de se tornarem "o novo Ozzy Osbourne". São raros os casos solo que dão certo no rock, ainda mais nesse segmento, mas vários se deixaram levar por essa intenção. Outros só queriam se expressar de forma diferente dos padrões da própria banda. E ainda há aqueles que se lançaram solo antes mesmo de tentarem algo com algum grupo.

Independente do intuito de cada cantor, a lista abaixo reúne 16 grandes discos solo de vocalistas do hard rock - de trabalhos intimistas a tentativas de superarem suas antigas bandas. Confira:

Danny Vaughn - "Soldiers and Sailors on the Riverside" [2000]: lançado sob a alcunha da banda Vaughn, o primeiro disco da carreira solo de Danny Vaughn tem resquícios do hard melódico praticado com o Tyketto, mas vai um pouco além. Pitadas de blues e pop rock se fazem presente neste disco, que também conta com o fiel escudeiro Michael Clayton Arbeeny na bateria e Jamie Scott no baixo.


 
David Lee Roth - "Eat 'Em And Smile" [1986]: DLR queria ser maior que o Van Halen em seu projeto solo. Não conseguiu, mas produziu bons álbuns ao lado de músicos excepcionais. Aqui, ele divide os holofotes com o até então prodígio Steve Vai na guitarra e o insano Billy Sheehan no baixo. Influências de jazz e speed metal são encontradas neste disco, mas o exagero do hard oitentista é o que rege o repertório.



Don Dokken - "Up From The Ashes" [1990]: após o fim do Dokken, o vocalista Don Dokken montou uma baita banda, com John Norum na guitarra, Peter Baltes no baixo e Mikkey Dee na bateria. A união só gerou um álbum, "Up From The Ashes", que soa como uma versão menos exagerada e um pouco mais melódica do próprio Dokken.





James Christian - "Rude Awakening" [1994]: James Christian foi, é e sempre será o House Of Lords. Não seria estranho que "Rude Awakening" soasse como sua própria banda. Ou seja, este é um disco de hard rock melódico com a exuberância vocal de Christian.





Jeff Scott Soto - "Prism" [2002]: depois de tanto participar de boas bandas de hard rock/AOR, Jeff Scott Soto, enfim, conseguiu lançar um bom disco do estilo. "Prism" é o seu segundo trabalho solo, mas o antecessor, "Love Parade", descambava muito para o pop. Aqui, o som é forte.





Jon Bon Jovi - "Blaze Of Glory" [1990]: trilha sonora do filme "Jovens Demais para Morrer", "Blaze Of Glory" tem seus valores particulares. É um disco de hard rock com os pés fincados na década de 1970, especialmente pela guitarra de Jeff Beck e pelos momentos southern. Tem as impressões digitais do Bon Jovi, mas apresenta um frescor que nem mesmo a banda mostrou em seus álbuns.





Kip Winger - "Songs From The Ocean Floor" [2000]: fora do Winger, Kip Winger sempre preferiu praticar um som mais leve e acústico. É o que reflete seu segundo disco solo, "Songs From The Ocean Floor". Boas músicas, ótimos arranjos e interpretação acima da média por parte de Kip.





Mark Free - "Long Way From Love" [1993]: ainda lançado sob a alcunha Mark Free, Marcie Free fez, em "Long Way From Love", algumas de suas melhores músicas. AOR ganchudo, bem trabalhado e com todas as características veneradas por fãs do estilo.



Mitch Malloy - "Mitch Malloy" [1992]: raro caso de um cantor que se lançou solo antes mesmo de buscar por uma banda. Em seu debut, Mitch Malloy apresenta um hard rock melódico de muita categoria. Em sua banda de apoio, estão dois mitos entre os músicos de estúdio: Hugh McDonald no baixo e Mickey Curry ma bateria.



Paul Laine - "Stick It In Your Ear" [1990]: outro caso de um cantor que se lançou solo. Antes de entrar para o Danger Danger, Paul Laine lançou "Stick It In Your Ear", um ótimo disco de hard rock, que atende a todos os pré-requisitos da vertente oitentista, mas com um diferencial: sua voz. Dê o play e entenda o porquê.





Paul Stanley - "Live To Win" [2006]: Paul Stanley quase se lançou solo em alguns momentos da década de 1980. Enfim, em 2006, o Starchild lançou seu primeiro álbum solo desde 1978. "Live To Win" tem pitadas de modernidade e soa mais pop rock em diversos momentos, mas ainda mostra muito da pegada de Stanley, um compositor acima da média.





Rod Stewart - "Every Picture Tells A Story" [1971]: Rod Stewart conciliava uma carreira solo enquanto integrava o Faces, no entanto, em "Every Picture Tells A Story", o cantor viu que poderia ser maior que a própria banda. O disco é incrível do início ao fim e mostra porque devemos nos lamentar que Stewart tenha trocado o hard rock pelo pop.





Sammy Hagar - "I Never Said Goodbye" [1987]: após ter saído do Montrose, Sammy Hagar lançou diversos discos solo. O melhor, porém, foi feito quando ele entrou para o Van Halen. "I Never Said Goodbye" mostra o talento do cantor que, queira ou não, mudou a cara do VH. Em alguns momentos, soa melhor que muito do que foi produzido ao lado dos irmãos holandeses.





Sebastian Bach - "Angel Down" [2007]: Sebastian Bach demorou muito para lançar sua carreira solo de verdade. Ele saiu do Skid Row em meados de 1996, mas só divulgou "Angel Down", seu primeiro álbum de estúdio, mais de dez anos depois. Valeu a pena esperar: Bach flerta com o heavy metal e apresenta um repertório de uma qualidade que não seria repetida em trabalhos futuros.





Ted Poley - "Collateral Damage" [2005]: outro cantor que demorou muito para lançar um trabalho solo. Ted Poley saiu do Danger Danger ainda na década de 1990 e se envolveu em alguns projetos fracos até fazer "Collateral Damage". Aqui, Poley mostra suas influências AOR e dá um show de interpretação, mesmo com uma voz nitidamente limitada em comparação aos colegas do gênero.





Vince Neil - "Exposed" [1992]: em sua carreira solo, Vince Neil queria ser maior que o Mötley Crüe. Assim como David Lee Roth, Neil não conseguiu. Mas fez "Exposed", uma verdadeira pérola do hard rock, que foge do hard óbvio do Crüe - graças, também, ao guitarrista Steve Stevens.





Veja também:

- Os 50 melhores discos de hard rock do século 21
- 15 bons discos de hard rock da 2ª metade da década de 1990
- 10 bons nomes femininos no hard rock

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

16 artistas de reality shows musicais que seguiram famosos
segunda-feira, agosto 29, 2016


Os reality shows musicais, também chamados de talent shows ou shows de talentos, são vistos como uma vitrine por muitos artistas. Os programas de TV em questão podem dar uma tremenda exposição para alguns nomes que, por algum motivo, não tenham conseguido, até então, se divulgar de forma efetiva.

Geralmente embasados em votações, sejam públicas ou entre jurados, os reality shows musicais podem escolher um vencedor que, nem sempre, está preparado para a fama. Enquanto isso, há outros participantes que tenham ficado pelo caminho e que podem conseguir o estrelato.

A lista abaixo reúne somente nomes que conseguiram manter a fama após participações em reality shows musicais. Alguns venceram seus programas, enquanto outros, inicialmente, ficaram para trás.

Veja abaixo 16 artistas de reality shows musicais que seguiram famosos:

1) One Direction: a boyband britânica ficou em terceiro lugar na temporada de 2011 do "The X Factor". Hoje, são uma das maiores potências da música pop contemporânea.


2) Kelly Clarkson: primeira vencedora do "American Idol" americano, em 2002, Kelly Clarkson se consagrou como artista solo e não saiu do topo das paradas.


3) Thaeme Mariôto: antes de se lançar com a dupla Thaeme & Thiago, Thaeme Mariôto venceu a segunda temporada do programa "Ídolos", em 2007. Ela gravou um álbum solo, no mesmo ano, antes de se juntar a Thiago.


4) Fifth Harmony: o Fifth Harmony tem uma trajetória semelhante à do One Direction. A girlband não venceu o reality show do qual participou - o "The X Factor" dos Estados Unidos, em 2013 -, mas se tornou referência na música pop atual após o programa.


5) Little Mix: vencedoras do reality show "The X Factor" britânico de 2011, a girlband Little Mix conseguiu dar sequência em sua carreira de sucesso nos anos seguintes.


6) Marjorie Estiano: conhecida por um papel musical - a vilã e cantora Natasha, no seriado "Malhação", da TV Globo -, Marjorie Estiano sempre teve relação com música e TV. Antes de ir para a Globo, ela esteve no programa "Popstars", do SBT, onde foi aprovada nas primeiras fases, mas não deu sequência.


7) Carly Rae Jepsen: a canadense se consagrou com o hit "Call Me Maybe", mas poucos sabem que, antes, ela participou o reality show "Canadian Idol", em 2007. Terminou em terceiro lugar.


8) Thiaguinho: o pagodeiro ficou longe de ter vencido a segunda edição do reality show "Fama", em 2002, do qual participou. Ele ficou em sétimo lugar. No entanto, foi, de longe, o cantor que mais se destacou posteriormente: ele entrou no Exaltasamba e, hoje, tem uma carreira solo de sucesso.


9) Chris Daughtry: o americano participou do "American Idol", em 2006, e terminou em quarto lugar. Não teve importância: ele montou a banda Daughtry e continuou famoso.


10) Malta: a primeira banda a vencer o "SuperStar" no Brasil conseguiu se manter notável após o programa. Lançaram dois álbuns até agora - o primeiro, "Supernova", obteve disco triplo de platina.


11) Susan Boyle: segunda colocada no "Britain's Got Talent" de 2009, Susan Boyle ficou famosa após ter impressionado em uma performance de "I dreamed a dream". Desde então, a cantora se consagrou mundialmente e hoje lança discos que sempre chegam ao topo das paradas do Reino Unido.


12) Carrie Underwood: vencedora do "American Idol", em 2005, Carrie Underwood multiplicou sua fama nos anos seguintes e se tornou uma representante contemporânea da música country.


13) Hugo & Tiago: Hugo e Tiago participaram, separados, da temporada 2004 do programa "Fama". Depois, uniram forças e lançaram uma dupla sertaneja. Hoje, são conhecidos em todo o Brasil.


14) Jennifer Hudson: apesar de um tímido sétimo lugar no "Ameriacn Idol" de 2004, Jennifer Hudson foi muito além: trabalhou duro e se consolidou não só como cantora, mas também como atriz.


15) Adam Lambert: segundo colocado no "American Idol" de 2009, Adam Lambert passou raspando pelo troféu de melhor. Mas, definitivamente, ele não precisou vencer o programa: o cantor emendou uma carreira solo de sucesso e, hoje, faz turnês com o Queen.


16) Chay Suede: multifacetado, Chay Suede é famoso por seu trabalho como cantor e ator. Ele ficou conhecido após ficar em 4° lugar no "Ídolos", em 2010. Atingiu o estrelato de vez ao participar da novela "Rebelde". Hoje, se dedica mais à dramaturgia.


Bônus - Rouge e Br'Oz: os dois grupos estão como bônus porque não foram, exatamente, vencedores de um reality show. Eles, na verdade, foram o resultado de duas edições do programa "Popstars". O reality show em questão tinha o intuito de selecionar cantores para os grupos. Os cinco vencedores de cada edição compuseram os conjuntos.



Veja também:

- Confira 10 estrangeiros que cantaram músicas brasileiras no "The Voice" de outros países
- Participantes denunciam maus-tratos durante audições do "X Factor Brasil"
- Os motivos pelos quais tantos cantores de reality shows não fazem sucesso

Lordi lança novo clipe com direito a sangue e cinta peniana; assista
segunda-feira, agosto 29, 2016


O Lordi divulgou, nesta sexta-feira (26), um novo videoclipe para a música "Hug You Hardcore". A faixa faz parte do novo álbum da banda, intitulado "Monstereophonic: Theaterror Vs. Demonarchy".

O clipe acompanha o padrão peculiar das produções de Lordi. Há sangue, tortura e cinta peniana na produção, que é acompanhada de uma música para lá de grudenta.

"Monstereophonic: Theaterror Vs. Demonarchy" será lançado em 16 de setembro na Europa e, 14 dias depois, chega aos Estados Unidos.

Assista "Hug You Hardcore":

Guns N' Roses deu festa com modelos seminuas por 1 milhão de ingressos vendidos
segunda-feira, agosto 29, 2016


O Guns N' Roses recebeu, na última segunda-feira (22), uma placa comemorativa por ter vendido mais de um milhão de ingressos na parte norte-americana de sua atual turnê, "Not In This Lifetime Tour". A excursão chegou ao fim no continente após uma apresentação em San Diego, na Califórnia, Estados Unidos.

De acordo com informações do site Page Six, a banda comemorou a marca no Roosevelt Hotel até o amanhecer, com cerca de 200 convidados e um pedido peculiar: 50 sanduíches de ovo por volta das 5h. Ainda segundo a publicação, Axl Rose e Slash subiram ao terraço, acompanhados de modelos seminuas, para comer pizza.

A turnê "Not In This Lifetime Tour" marca o retorno de Slash e Duff McKagan ao Guns N' Roses, além de participações esporádicas de Steven Adler em algumas apresentações. Foram 32 apresentações na América do Norte. A banda volta à ativa em outubro, quando vem à América do Sul. Neste meio tempo, Axl Rose faz shows com o AC/DC.

Veja também:

- Cidade de Minas Gerais tem 'dia do Guns N' Roses' no calendário oficial
- "Melhor para o rock", diz Tracii Guns sobre reunião do Guns N' Roses

Tesla lança novo clipe com Phil Collen, do Def Leppard; assista
segunda-feira, agosto 29, 2016


O Tesla divulgou, nesta sexta-feira (26), um novo videoclipe para a música "Save That Goodness". A faixa estará como bônus no novo lançamento da banda, "Mechanical Resonance Live", que chegou ao público também nesta sexta.

"Save That Goodness" foi composta e produzida por Phil Collen, guitarrista do Def Leppard. O músico também aparece no clipe, mas não se sabe se ele também tocou na faixa.

Phil Collen e Tesla se conheceram em 1986, no Paradiso Theater de Amsterdã, na Holanda. "Desde então, sempre estivemos conectados, de uma forma ou outra", disse Collen, em entrevista ao Ultimate Classic Rock.

Assista: