segunda-feira, 25 de julho de 2016

Avenged Sevenfold: 15 anos da estreia "Sounding The Seventh Trumpet"
segunda-feira, julho 25, 2016


Não é pretensão afirmar que o Avenged Sevenfold é (ou foi) o principal expoente do metalcore. Não é uma questão de legado ou qualidade musical: o A7X foi importante em termos comerciais, valores tão renegados dentro da "comunidade metal".

O início da caminhada do Avenged Sevenfold rumo à consagração foi "Sounding The Seventh Trumpet", que foi lançado em 24 de julho de 2001 - há 15 anos. E o início da banda foi tão complicado quanto o de qualquer outra dentro do segmento rock/metal.

O Avenged Sevenfold se formou em 1999, com M. Shadows nos vocais, Zacky Vengeance na guitarra, The Rev na bateria e Justin 'Sane' Meacham no baixo, posteriormente substituído por Matt Wendt. Dois anos e duas demos depois, a banda gravou "Sounding The Seventh Trumpet" de forma quase amadora, ainda como uma banda colegial.



Os músicos tinham entre 17 e 18 anos na época do registro e contaram com um orçamento de US$ 2 mil para o registro. Para se ter ideia, a bateria de The Rev teve que ser gravada em apenas um take.

No entanto, há diversos elementos que apontam "Sounding The Seventh Trumpet" como um trabalho de uma banda amadora com pretensões profissionais. As músicas são bem feitas, os instrumentos são bem tocados e a produção, co-assinada pelos próprios integrantes ao lado de Donnell Cameron, dá para o gasto.

Estreia pesada

"Sounding The Seventh Trumpet" mostra um Avenged Sevenfold muito mais metálico. A banda precisou adequar sua sonoridade para que, anos depois, conseugisse um contrato com uma grande gravadora e alçasse voos maiores. A base do grupo, porém, está nesse disco: metalcore intenso, pesado, de poucos momentos melódicos e com destaque para os vocais guturais/screamo de M. Shadows e a bateria habilidosa de The Rev.

Apesar de mais metálico e pesado, "Sounding The Seventh Trumpet" pouco inova. Os próprios músicos reconhecem isso. "Estávamos ouvindo mais bandas obscuras de heavy metal e hardcore", afirma Zacky Vengeance, em entrevista à Revolver. Muitas dessas influências foram utilizadas de forma crua e pouco reflexiva, como fazem muitas bandas de metal.



Uma década e meia depois, é interessante que existam registros como "Sounding The Seventh Trumpet" para que seja possível compreender a linha de evolução de determinados músicos. O que mais chama a atenção é justamente o que, à época, não estava na banda. Por mais que o Avenged Sevenfold já soasse como um grupo pronto desde o início, a entrada do guitarrista Synyster Gates, logo após o lançamento do debut, promoveu um salto de qualidade.

Futuro

Não dá para dizer se o Avenged Sevenfold chegaria ao estrelato com outros discos como "Sounding The Seventh Trumpet". Talvez fosse menos repudiado no underground, mas a escalada ao sucesso seria mais complicada. O próprio álbum, mesmo que lançado de forma independente, mostrou isso: somente 300 cópias foram vendidas na primeira semana. Hoje, são mais de 30 mil discos vendidos, contando com o relançamento, mas as vendas só deslancharam quatro anos depois, com o estrelato.

Fato é que o Avenged Sevenfold se consagrou com uma sonoridade um pouco mais diferente, com Synyster Gates e sem nenhum dos baixistas de seu início. Matt Wendt e Justin 'Sane' Meacham saíram antes da gravação de "Sounding The Seventh Trumpet" - o último havia se tornado um alcoólatra e tentou até se matar.



Dameon Ash gravou o disco de estreia da banda, mas o posto só foi ocupado em definitivo depois da primeira turnê, por Johnny Christ. "Waking the Fallen" (2003), segundo álbum do grupo e já feito com sua formação clássica, manteve a pegada metalcore do debut, mas os vocais melódicos de M. Shadows começaram a aparecer mais.

O estrelato só veio com "City Of Evil". O resto é história: sucesso em todos os trabalhos subsequentes, repercussão, haters, morte de The Rev e aproximação ao heavy metal tradicional em "Hail To The King".

A trajetória do Avenged Sevenfold mostra que não dá para saber o que esperar deles. Uma banda cujos músicos registram, aos 18 anos, um disco como "Sounding The Seventh Trumpet", podem surpreender a qualquer momento.



M. Shadows (vocal, violão, teclados)
Zacky Vengeance (guitarra)
The Rev (bateria, efeitos de som, vocais adicionais em 4)
Dameon Ash (baixo)

Músicos adicionais:
Valary Di Benedetto - futuramente, esposa de M. Shadows (vocal adicional em 4)

1. To End the Rapture
2. Turn the Other Way
3. Darkness Surrounding
4. The Art of Subconscious Illusion
5. We Come Out at Night
6. Lips of Deceit
7. Warmness on the Soul
8. An Epic of Time Wasted
9. Breaking Their Hold
10. Forgotten Faces
11. Thick and Thin
12. Streets
13. Shattered by Broken Dreams


Veja também:

Ouça "Show Me A Leader", nova música do Alter Bridge
segunda-feira, julho 25, 2016


O Alter Bridge lançou, por meio da rádio SiriusXM, uma nova música, intitulada "Show Me A Leader". A faixa faz parte de "The Last Hero", novo disco da banda, que deve ser lançado no dia 7 de outubro.

Em entrevista à rádio, o vocalista Myles Kennedy disse que "Show Me A Leader" é um "reflexo de como as coisas estão polarizadas e fraturadas em nossa sociedade". Segundo o cantor, "a música não empurra uma agenda, simplesmente expressa um senso comum de desilusão que as pessoas parecem estar sentindo no momento".

Clique aqui para ouvir "Show Me A Leader".

Datas do Lollapalooza Brasil 2017 são confirmadas
segunda-feira, julho 25, 2016


A organização do Lollapalooza anunciou, na manhã desta segunda-feira (25), as datas da edição brasileira do festival em 2017. O evento vai acontecer nos dias 25 e 26 de março.

O local será o mesmo de outras ocasiões: o Autódromo de Interlagos, em São Paulo. Outras informações referentes a ingressos ou bandas que tocarão no evento ainda não foram divulgadas.

A edição de 2016 do Lollapalooza Brasil aconteceu nos dias 12 e 13 de março. As atrações principais foram Eminem, Mumford And Sons, Florence + The Machine e Jack Ü.

Veja também:

- Ouça a bateria isolada de Dave Grohl no Nirvana, Foo Fighters e QOTSA
- Top 15: os melhores supergrupos do rock
- 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas

sábado, 23 de julho de 2016

5 anos sem Amy Winehouse, raro talento da música contemporânea
sábado, julho 23, 2016


Há cinco anos, o mundo se despedia de Amy Winehouse. A icônica cantora britânica faleceu em 23 de julho de 2011, vítima de uma ingestão excessiva de álcool em um período de abstinência. E, curiosamente, em outubro deste ano, seu disco de maior sucesso, "Back to Black", chegará ao décimo aniversário.

Dois elementos chamam muito a atenção na trajetória de Amy Winehouse. O primeiro é que, após muitos anos de abuso de álcool e drogas, a cantora morreu no momento em que, aparentemente, estava mais consciente de que deveria se recuperar. O segundo é que, em um período de cinco anos, Amy explodiu para o estrelato, se deteriorou e morreu.



A ascensão de Amy Winehouse foi, de certa forma, meteórica. Ela conseguiu destaque com seu primeiro disco, "Frank" (2003), gravado enquanto ela tinha apenas 19 anos e lançado quando ela estava com 20.

Maturidade

Artistas que aparecem nessa idade não passam nem perto da maturidade que Amy Winehouse já apresentava em "Frank". A britânica trabalhava com estilos consagrados, mas pouco usuais para o surgimento de um talento tão jovem, como soul, R&B e jazz. Nomes que surgem nessa fase da vida, geralmente, estão inclinados ao pop e são muito direcionados por produtores e executivos.



Não foi o caso de Amy Winehouse. Em "Frank", participou da autoria de todas as composições e co-produziu uma das faixas. Três anos depois, em "Back to Black" (2006), Amy compôs quase tudo sozinha - somente quatro canções, incluindo a que dá nome ao disco, contaram com a ajuda de autores externos.

Com 23 anos, Amy Winehouse fez um dos melhores discos do chamado "R&B contemporâneo". "Back to Black" é um trabalho injevável. Amy estava no auge do poderio vocal, da criatividade e da capacidade de se interpretar uma boa canção. A produção de Mark Ronson e Salaam Remi contribuiu, mas não mudou em nada a essência da britânica.



Decadência

O problema é que existiam problemas. Amy Winehouse viveu a decadência justamente enquanto estava no auge.

As duas frases anteriores podem parecer confusas quando não se conhece a trajetória Amy Winehouse, mas fazem muito sentido no contexto. O relacionamento com Blake Fielder-Civil, entre 2007 e 2009, é creditado por muitos como o momento em que Amy afundou de vez. A relação com o álcool e as drogas se estreitou e a cantora já não se controlava mais.



É muito curioso que o destino tenha mudado o caminho de Amy Winehouse justamente quando ela desfrutava do sucesso. A britânica excursionou pelo mundo com muito êxito e "Back to Black" continuou sendo um dos discos mais vendidos em vários países mesmo em 2008, dois anos após seu lançamento.

Os últimos momentos

Amy Winehouse chegou ao fundo do poço após o fim do casamento com Blake Fielder-Civil, em 2009. Desde então, Amy se tornou notável nos tabloides, com manchetes relacionadas ao seu abuso de drogas, aparições desleixadas, shows desastrosos e incapacidade de lançar novo material para dar sequência a "Back to Black".



Profissionalmente, Amy Winehouse fez pouco entre 2009 e 2011. Um de seus feitos envolveu o Brasil: a cantora fez uma mini-turnê pelo país e foi criticada por seus shows curtos e de pouca qualidade vocal. Amy esquecia as letras com frequência e demonstrava, a cada compasso, que não estava bem.

Nesta semana, Blake Fielder-Civil revelou que Amy Winehouse tentou suicídio cerca de oito semanas antes de morrer. Não espanta. À época, Amy se tratava do vício e estava, enfim, em um período de abstinência. Em aparições públicas, já demonstrava estar mais saudável e com parte de seu peso corporal recuperado.



No entanto, um mix entre decepções pessoais, ridicularização por parte da mídia e uma doença (sim, o vício é uma doença) fez com que Amy Winehousse partisse em 23 de julho de 2011, aos 27 anos. Apesar de ter aberto caminho para outras jovens cantoras se destacassem em gêneros mais tradicionais - como Adele -, Amy deixou uma lacuna no segmento musical em que estava inserida, além de, obviamente, ter sido uma perda muito grande para as pessoas próximas a ela.

Hoje, existem vários registros que documentam a curta carreira de Amy Winehouse. O filme "Amy", disponível na Netflix, é um dos mais recomendados. Serve para entender que a carismática cantora era, além de tudo, uma pessoa que precisava de ajuda. E não teve.

Siga descansando em paz, Amy Winehouse.

Veja também:

- Amy Winehouse tentou suicídio pouco antes de morrer, revela ex
- Amy Winehouse odiava a música "Rehab", diz diretor de documentário
- Veja a última foto em vida de artistas que já faleceram
- Livro mostra lista de exigências absurdas de estrelas da música
- 10 músicas famosas que são covers e talvez você não saiba
- Coletânea do Queen é o disco mais vendido da história do Reino Unido

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Flea, do Red Hot Chili Peppers, fala sobre racismo e armas nos EUA: "patético"
quinta-feira, julho 21, 2016


O baixista Flea, do Red Hot Chili Peppers, saiu um pouco da zona de conforto durante uma entrevista à CBC Ottawa. O músico não só falou do novo álbum da banda, "The Getaway", como também deu sua opinião sobre assuntos polêmicos e de repercussão nos Estados Unidos.

Atualmente, o país vive uma situação de incerteza na área política, com o super-conservador Donald Trump ganhando força eleitoral na corrida à presidência. O cenário negativo se potencializou com casos de assassinatos de negros e o medo do terrorismo.

Flea fez uma relação entre os distintos casos de violência nos Estados Unidos e a falta de otimismo por parte da população americana. "A situação com pessoas se matando, o racismo sistêmico nos Estados Unidos, um romance patético com as armas de fogo. Existe também o terrorismo e a revolta contra ele. Assim, as pessoas não se sentem conectadas", diz.

O músico acredita que a situação vivida pelo país ultimamente ajuda a construir um cenário de tristeza e até de doença. "Você fica tão sozinho, elimina tanto o mundo, que acha que está contra uma pessoa e que essa pessoa está contra você. Você constrói medo e ódio que se transforma em algo doente e você se torna um assassino. É uma doença, é doente, é muito triste", afirma.

Clique aqui para assistir à entrevista na íntegra (em inglês e sem legendas):

Veja também: 

- Ouça o baixo isolado de Flea nas músicas do Red Hot Chili Peppers
- Os passatempos mais improváveis de estrelas da música
- Vídeo mostra 100 linhas de baixo famosas em 13 minutos
- Flea se revela fã de MC Guimê e toca música do funkeiro
- 53 pessoas prestam queixa contra mamilos do Red Hot Chili Peppers nos EUA

Cidade de Minas Gerais tem 'dia do Guns N' Roses' no calendário oficial
quinta-feira, julho 21, 2016


O Guns N' Roses surgiu em Hollywood, em Los Angeles, Estados Unidos. É uma banda tradicionalmente americana. Muito distante do Brasil, certo?

Para habitantes da cidade de Caxambu, localizada no sul de Minas Gerais, não há distância que impeça a realização do 'dia Gunner'. A data em que fãs do Guns N' Roses celebram sua idolatria pela banda entrou no calendário municipal neste ano.

O motivo é um evento, chamado Festival Gunner Convention, que acontece todos os anos em Caxambu, desde 2004. A convenção a céu aberto tem shows cover em homenagem ao Guns N' Roses, além de exposições, área de alimentação, área para motociclistas, entre outros.

A lei que estabelece o 'dia Gunner' em Caxambu foi aprovada por unanimidade na Câmara de Vereadores da cidade. A data é celebrada sempre no dia 11 de julho - ou seja, a deste ano já passou, mas fanáticos pelo Guns N' Roses podem se programar para ir à convenção de 2017.

A convenção de Caxambu é tão conhecida que, em 2015, até mesmo o perfil do Guns N' Roses no Facebook fez uma publicação sobre ela. Veja:



Veja também:

- Valores de ingressos para shows do Guns N' Roses no Brasil são divulgados
- Em extensa entrevista, Axl Rose fala de Guns N' Roses, AC/DC e mais
- 10 curiosidades sobre o início do Guns N' Roses que talvez você não saiba
- Por onde anda o Guns N' Roses que tocou, 15 anos atrás, no Rock In Rio 2001?

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Supergrupo Temple of the Dog anuncia reunião para turnê
quarta-feira, julho 20, 2016


O lendário supergrupo grunge Temple of the Dog vai voltar à ativa para a primeira turnê de sua história. A informação foi divulgada pelas redes sociais da banda.

O projeto, composto por integrantes do Pearl Jam e Soundgarden, fará cinco shows nas cidades de Filadélfia, Nova Iorque, Los Angeles, San Francisco e Seattle, no mês de novembro. Parte da renda obtida com os ingressos será destinada às entidades filantrópicas Chris And Vicky Cornell Foundation, de Chris Cornell, e Vitalogy Foundation, do Pearl Jam.

A intenção da reunião é comemorar o 25° aniversário do primeiro e único disco do Temple of the Dog, de 1991. Edições especiais do álbum também serão lançadas, em quatro versões: super deluxe (CD/DVD), LP duplo, CD duplo deluxe e CD simples.

A formação que vai cair na estrada é composta por Chris Cornell, Jeff Ament, Matt Cameron, Mike McCready e Stone Gossard. Eddie Vedder pode participar de algumas datas. Veja mais detalhes no vídeo abaixo:



Veja também:

- Robert Plant ironiza Pearl Jam por supostamente plagiar Led Zeppelin
- Os 20 anos do fim do Alice In Chains - e os 10 anos do recomeço
- Lista: 10 videoclipes que já foram banidos da televisão
- Lista revela cachês de bandas de rock e metal

Gravadora queria tirar Mike Shinoda do Linkin Park
quarta-feira, julho 20, 2016


Uma declaração de Chester Bennington, em entrevista à Metal Hammer, chamou a atenção dos fãs. O cantor disse que executivos da Warner, gravadora da banda, queriam que Mike Shinoda fosse tirado da formação.

O fato ocorreu entre 1999 e 2000, antes do lançamento de "Hybrid Theory", álbum de estreia do Linkin Park. "Não fazíamos ideia do que estava rolando. A gravadora queria expulsar Mike da banda de qualquer jeito, o que é a coisa mais engraçada do mundo. Olhando para trás, penso ‘que viagem mais insana’", afirma Chester Bennington.

No entanto, Mike Shinoda é um dos membros fundadores da banda, ao lado do guitarrista Brad Delson e do baterista Rob Bourdon. Além disso, os demais músicos estavam confiantes no trabalho do Linkin Park até então. "Acreditávamos tanto no que fazíamos e pensávamos ‘por que ninguém mais vê isso?’. Mas quando o disco saiu, acho que todos viram", disse.

Os integrantes do Linkin Park não estavam errados. "Hybrid Theory" vendeu milhões de cópias e fez a banda estourar por todo o mundo.

Veja também:

- 10 curiosidades que você talvez não saiba sobre o Linkin Park
- Ouça os vocais isolados de Chester Bennington no Linkin Park
- Conheça os 20 discos de rock mais vendidos no mundo
- Mike Shinoda critica rock atual e culpa Linkin Park por situação
- Confira um panorama atual das bandas de nu metal

Amy Winehouse tentou suicídio pouco antes de morrer, revela ex
quarta-feira, julho 20, 2016


Amy Winehouse, definitivamente, não estava em seu melhor momento quando morreu. A cantora estava em um período de abstinência alcoólica, após ter enfrentado diversos problemas com o vício - período muito frágil na tentativa de recuperação.

No entanto, antes mesmo de sua morte acidental, causada após ingestão excessiva de álcool durante o período de abstinência, Amy Winehouse pretendia tirar a própria vida de forma intencional. Blake Fielder-Civil, ex-marido de Amy, disse que a cantora tentou suicídio pouco antes de morrer, em 2011.

Durante uma entrevista concedida ao jornal The Sun, Blake Fielder-Civil disse que Amy Winehouse "cortou a si própria" cerca de dois meses antes de morrer. A tentativa teria acontecido, segundo ele, após o ex-casal ter se falado ao telefone.

"Como Sarah (parceira de Blake na época) estava tendo nosso bebê, disse a ela que não poderia falar naquela hora e desliguei. Devia ter pensado que aquilo iria chateá-la e machucá-la", disse o ex-marido de Amy Winehouse.

Ao ligar no dia seguinte, Blake Fielder-Civil descobriu que Amy Winehouse estava tentando se matar. "Liguei para ela para me desculpar e dizer feliz aniversário. Ela me disse que havia se cortado e que tinha sido muito sério", afirmou.

Acidente ou suicídio? 

Relatórios feitos por autoridades britânicas apontaram que a morte de Amy Winehouse foi acidental. No entanto, para Blake Fielder-Civil, Amy decidiu ingerir uma grande quantidade de álcool com a real intenção de se matar. Para ele, não foi por acaso, justamente pela tentativa de suicídio dois meses antes do falecimento em si.

Amy Winehouse morreu em 23 de julho de 2011, aos 27 anos. Ela estava afastada do mercado musical desde 2008, quando começou a ter problemas mais sérios com álcool e drogas, e fazia apenas trabalhos mais pontuais. No ano em que morreu, Amy tentou voltar aos palcos - com, inclusive, apresentações no Brasil -, mas fracassou ao dar sequência a uma turnê.

Veja também:

- Amy Winehouse odiava a música "Rehab", diz diretor de documentário
- Veja a última foto em vida de artistas que já faleceram
- Lista: 10 músicas famosas que são covers e talvez você não saiba
- "Uma garota, 15 vozes": Youtuber argentina imita 15 cantoras em vídeo

terça-feira, 19 de julho de 2016

Valores de ingressos para shows do Guns N' Roses no Brasil são divulgados
terça-feira, julho 19, 2016


Foram divulgadas, nesta terça-feira (19), mais informações sobre a venda de ingressos para os shows do Guns N' Roses no Brasil. As entradas podem ser adquiridas a partir da próxima segunda-feira, 25 de julho.

Somente o show no Rio de Janeiro não terá ingressos comercializados a partir desta data. O local das apresentações ainda não foi definido.

Para as outras cidades, a venda começa no dia 25 de julho, às 22h, em uma pré-venda exclusiva para membros do fã-clube oficial. As entradas estarão disponíveis ao público em geral a partir das 22h do dia seguinte, terça-feira, 26 de julho.

As datas dos shows de Rio de Janeiro e Curitiba foram alteradas. As apresentações serão nos dias 15 e 17 de novembro, respectivamente. Conforme relatado anteriormente, somente no Rio os ingressos não começam a ser vendidos na próxima semana.

Veja mais informações sobre os shows do Guns N' Roses no Brasil:

Porto Alegre

Data: 08/11/2016 - terça-feira
Local: Estádio Beira Rio (Avenida Padre Cacique, 891 – Praia de Belas)
Classificação etária: 16 anos (12 a 15 anos somente acompanhados dos pais/responsável. Menores de 12 anos não entram.)

Preços - inteira (Ainda não foram definidos quais setores terão meia-entrada para estudantes)

Pista Premium Lote I - R$600,00
Pista Premium Lote II - R$650,00
Pista Lote I - R$300,00
Pista Lote II - R$330,00
Pista Lote III - R$360,00
Pista Lote IV - R$390,00
Camarotes - R$700,00                            
Cadeira Inferior Lote I - R$400,00
Cadeira Inferior Lote II - R$440,00
Cadeira Inferior Lote III - R$470,00
Cadeira Superior Lote I - R$190,00
Cadeira Superior Lote II - R$220,00
Cadeira Superior Lote III - R$250,00

Abertura de vendas pela Internet:

Dia 25 de Julho de 2016 às 22:00h (segunda-feira) - Pré-Venda para o Fã Clube Oficial (para maiores informações consulte: www.gunsnroses.com - A venda será efetuada pela Blueticket
Dia 26 de julho de 2016 as 22:00 h (terça-feira) - Abertura de vendas ao Público

Ponto de venda sem taxa de serviço: A partir do dia 27 de Julho de 2016.

Hits Shopping Iguatemi (PDV Oficial)
Avenida João Wallig, 1800 – Passo da Areia (2ºAndar em frente ao Itaú) – Porto Alegre/RS

Horário de Funcionamento
- De Segunda a Sábado, das 10:00 às 22:00h
- Domingo das 14:00 as 20:00h
Formas de Pagamento: Cartão de Débito, Crédito (X1) e Dinheiro

Outros Pontos de venda pelo fone (51) 4062 1177.

São Paulo 

Data: 11/11/2016 (sexta-feira)
Local: Allianz Parque (Avenida Francisco Matarazzo, 1705 – Água Branca)
Classificação: 14 anos. Menores de 14 anos podem entrar acompanhados de pais ou responsável maior de idade.

Preços:

Pista Premium:
R$780,00
R$390,00 (meia)

Pista Premium PNE
R$780,00
R$390,00 (meia)

Pista:
R$390,00
R$195,00 (meia)

Pista PNE
R$390,00
R$195,00 (meia)

Cadeira Inferior:
R$550,00
R$275,00 (meia)

Cadeira Inferior PNE:
R$550,00
R$275,00 (meia)

Cadeira Superior:
R$290,00
R$145,00 (meia)

Abertura de vendas pela Internet:

Dia 26 de Julho de 2016 as 00:01h  (de segunda para terça) - Pré-Venda para o Fã Clube Oficial (para mais informações consulte: www.gunsnroses.com  - A venda será efetuada pela Ingresso Rápido

Dia 27 de julho de 2016 as 00:01h(de terça para quarta) - Abertura de vendas ao Público

Ponto de venda sem taxa de conveniência: A partir do dia 27 de Julho de 2016 nas bilheterias da Allianz Parque.

Rio de Janeiro

Data: 15 de novembro
Local: a confirmar

Curitiba

Data: 17/11/2016 – Quinta-Feira
Local: Pedreira Paulo Leminski (Rua João Gava, 970)
Classificação etária: 16 anos (12 a 15 anos somente acompanhados dos pais/responsável. Menores de 12 anos não entram)

Preços:

Meia-entrada

Pista Premium Lote 1 - R$540,00
Pista Premium Lote 2 - R$610,00
Pista Lote 1 - R$240,00
Pista Lote 2 - R$265,00
Pista Lote 3 - R$290,00

Abertura de vendas pela Internet:

Dia 25 de Julho de 2016 as 22:00h (segunda-feira) - Pré-Venda para o Fã Clube Oficial (para mais informações consulte: www.gunsnroses.com  - A venda será efetuada pela Blueticket

Dia 26 de julho de 2016 as 22:00 hr. – (terça-feira) - Abertura de vendas ao Público

Vendas de ingressos – pontos de venda

A partir do dia 27 de Julho de 2016.

Multisom Centro Curitiba (Ponto Venda Oficial sem taxa)
Endereço:Marechal Deodoro,222 , Centro Curitiba
Segunda á Sábado: 10:00 as 18:00

Multisom (Com Taxa Serviço)
Palladium Shopping
Endereço: Avenida Presidente Kennedy, 4121, Portão - Loja 2
Segunda á Sábado: 10:00 as 21:00
Domingos e Feriados: 13:00 as 19:00
Blueticket – www.blueticket.com.br

Os ingressos podem ser obtidos através de:

Outros Pontos de Venda:

Por favor consulte pelo fone (41) 3517 0019.
Pela Internet: www.blueticket.com.br
Pelo Telefone: (041) 3517-0019

Brasília

Data: 20/11/2016 – Domingo
Local: Estádio Nacional Mané Garrincha
Endereço: Asa Norte – Brasília
Classificação: 16 anos (12 a 15 anos somente acompanhados dos pais/responsável. Menores de 12 anos não entram)

Preços: 

Meia-entrada

Pista Premium Lote I - R$520,00
Pista Premium Lote II - R$540,00
Pista Lote I - R$300,00
Pista Lote II - R$350,00
Camarotes - 600,00
Cadeiras Inferior Lote I - R$250,00
Cadeiras Inferior Lote II - R$300,00
Cadeira VIP - R$400,00
Cadeira Superior Lote I - R$180,00
Cadeira Superior Lote II - R$210,00
Cadeira Superior Lote III - R$230,00

Abertura de vendas pela Internet:

Dia 26 de Julho de 2016 as 00:01h (de segunda para terça) - Pré-Venda para o Fã Clube Oficial (para mais informações consulte: www.gunsnroses.com   - A venda será efetuada pela Eventim – www.eventim.com.br

Dia 27 de julho de 2016 as 00:01h (de terça para quarta) - Abertura de vendas ao Público  - www.eventim.com.br

Ponto de venda sem taxa de conveniência:
A partir do dia 27 de Julho de 2016.
Central de Ingressos:
SCN Quadra 5?Bloco A, 2º Subsolo ?Brasília Shopping ?70715-900 Brasília

Outros Pontos de Venda
Favor consultar: http://www.eventim.com.br/tickets.html?affiliate=BR1&doc=search/ticketAgency&fun=searchoutlet&action=search&isSent=true&agenciesListing=true&sort_by=name1&sort_direction=asc
Pagamentos
Cartões de débito e Cartões de crédito (Visa, Mastecard, Dinners. Amex, Elo)

Não deixe de conferir:

O inflacionado mercado de shows no Brasil começa a sentir o baque
- Em extensa entrevista, Axl Rose fala de Guns N' Roses, AC/DC e mais
- 10 curiosidades sobre o início do Guns N' Roses que talvez você não saiba
- Por onde anda o Guns N' Roses que tocou, 15 anos atrás, no Rock In Rio 2001?
- Lista: músicos que já foram embora de seus próprios shows
- 10 curiosidades sobre o hit "Sweet Child O'Mine", do Guns N' Roses