segunda-feira, 28 de abril de 2014

Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, revela motivo de tanto falar o termo "cara"
segunda-feira, abril 28, 2014


Durante entrevista concedida ao UOL Música, o cantor Dinho Ouro Preto (Capital Inicial) falou sobre alguns assuntos curiosos. Entre eles, explicou o motivo de tanto utilizar o termo "cara" em entrevistas e discursos - como o que fez na edição de 2013 do festival Rock In Rio, quando fez um protesto político no palco.

"Acho que eu falo (muito o termo) quando fico nervoso. Eu vi depois o vídeo do meu discurso no Rock in Rio. Falo 43 'caras' em um minuto. Que vergonha! Gente, que mico (risos). Eu não percebi. Era nervosismo. Foi durante um discurso político, e eu queria dizer uma coisa que acho que saiu atravessada. Acabei falando de um personagem menor, que era o [deputado Natan] Donadon, que havia sido julgado pela câmara, e haviam preservado o mandato dele. Era um personagem menor da política brasileira. Não queria ter falado do sujeito", disse.

Questionado por manter uma postura muito jovem em contraste à própria idade (ele tem 50 anos), inclusive por gostar de filmes e livros considerados "adolescentes", Dinho Ouro Preto foi direto: "No Brasil há muitas patrulha de gosto. E se eu gostar de trash cinematográfico, por exemplo, qual é o problema? Se gostar de ficção científica. Por que isso é uma coisa circunscrita à sua adolescência? Eu discordo. Outro dia alguém escreveu no meu Facebook que sou o adolescente mais velho do Brasil. Eu leio aquilo e falo: 'OK, cara. Mas não vou reconsiderar'", afirmou.

Veja o discurso feito por Dinho Ouro Preto no Rock In Rio 2013:

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.