segunda-feira, 12 de maio de 2014

Slash tentou entrar para o KISS em 1982, afirma Paul Stanley
segunda-feira, maio 12, 2014



Em um trecho da sua autobiografia, o vocalista e guitarrista do KISS, Paul Stanley, declara que o guitarrista Slash, consagrado por sua trajetória com o Guns N' Roses, tentou entrar para o grupo mascarado em 1982. 

Na segunda metade dos anos 1980, Paul Stanley foi cogitado para ser o produtor de "Appetite For Destruction", do Guns N' Roses. A parceria não deu certo e tanto Axl Rose quanto Slash já criticaram Stanley em público. O guitarrista da cartola chegou a afirmar que o Starchild era homossexual. 

A tradução abaixo, feita pelo site Whiplash, conta o caso da suposta tentativa de Slash para entrar no KISS. 

"À medida que nos preparávamos para fazer nosso próximo álbum, Creatures of the Night, nenhum produtor de renome estava batendo à nossa porta. Na verdade, as pessoas nem retornavam nossas ligações. 

Finalmente, no verão de 1982, eu marquei um almoço em Los Angeles, onde planejávamos gravar o disco, com um cara chamado Michael James Jackson. Nos encontramos em um restaurante chamado de Melting Pot, na esquina de La Cienega Boulevard com Melrose. Acabou que Michael não tinha experiência de fato com bandas de rock, apesar de ele ter acabado de trabalhar com Jesse Colin Young, o fundador da banda Youngbloods, que tinham tido alguns sucessos nos anos 60. Quando começamos a conversar, Michael disse: O que vocês precisam fazer é escrever algumas canções de sucesso. 

Nossa, por que é que eu não pensei nisso? Brilhante demais. (ironia) 

Mas eu gostei dele apesar de ter sido momentaneamente acuado por essa epifania. Ele era muito introspectivo e intelectual, e começamos a nos dar bem. Além disso, apesar de eu não ter certeza do que ele tinha a oferecer musicalmente, precisávamos de alguém. Eu sabia que Gene e eu não estávamos em um momento onde podíamos ser produtivos juntos porque nenhum de nós queria abrir mão de nossas respectivas ideias musicais. Precisávamos de um intermediário no estúdio, alguém para dar o voto de minerva. 

Gene e eu não compúnhamos mais juntos. Michael deu a ideia de trazer compositores de fora da banda para trabalhar no disco conosco: eu sugeri Bryan Adams, que tinha feito um sucesso menor intitulado Let Me Take You Dancing junto a Jim Vallance. Apesar de sua voz ter sido acelerada e soado como a de uma garota naquela faixa, eu achei que havia algo ali. 

Quando o trouxemos de avião a Los Angeles, Bryan acabou compondo com Gene, e eles bolaram War Machine. 

Com Ace fora, nós espalhamos que estávamos procurando por um novo guitarrista. Entre outros, testamos a Steve Farris do Mr. Mister, Robben Ford, que era um grande blueseiro, e Steve Hunter. 

Richie Sambora, que estava em uma banda recém-formada de nome Bon Jovi, veio de avião de Nova Jersey para um teste. Ele ainda não era o músico formado que ele se tornaria, e ele não conseguiu a vaga. 

É engraçado, mas anos depois eu o ouvi dizer que ele não queria muito entrar para a banda porque ele queria estar em algo com mais influência de blues. Primeiro, é difícil imaginar que ele tenha ido até a Califórnia para fazer um teste para o KISS só porque ele gostava de comida de avião. Além disso, o Bon Jovi já fez muita coisa boa, mas eles não estão ao lado do Howlin Wolf na minha coleção de discos. 

Outra pessoa com a qual conversei foi um jovem muito meigo chamado Saul Hudson. Ele me disse que sua mãe havia sido costureira de David Bowie e que seus amigos o chamavam de Slash. Ele era muito eloquente e envolvente, mas ele parecia ser jovem demais. Eu finalmente perguntei a ele qual sua idade. Ele disse: faço dezessete mês que vem. 

Eu tinha feito trinta anos no começo daquele ano, e Gene tinha duas vezes a idade daquele garoto. Disse: Sabe, você parece ser um grande sujeito, mas eu acho que você é jovem demais pra isso. E lhe desejei boa sorte e sempre me lembrei dele porque ele era tão gentil e seguro. 

No fim das contas, muita gente tocou solos em Creatures Of The Night. Foi um modo de testar pessoas e ver quem poderia se encaixar na pegada de cada faixa. Eddie Van Halen veio ao estúdio um dia sabendo que estávamos procurando por um guitarrista. Ele ouviu algumas coisas que tínhamos, incluindo um solo na faixa-título, de Steve Farris. Eddie perguntou: Wow, por que vocês não contratam ESSE cara?!. Ele estava boquiaberto. O fato é que tínhamos ensaiado com Farris, mas não tinha dado liga". 
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.