sexta-feira, 18 de julho de 2014

Por "traição ao movimento metal", petição quer que Ghost não exista mais
sexta-feira, julho 18, 2014


Uma petição no site Change.org pede para que a banda Ghost encerre as suas atividades. A ideia, de Sven Armdacht, pede o fim do grupo porque eles "querem destruir o verdadeiro metal", já que "não são metal".

Até o fechamento desta matéria, a petição contava com apenas 149 apoiadores. São pedidas 10 mil assinaturas ao todo.

Clique aqui para acessar a petição. Segue abaixo a tradução da carta aberta:

"Estamos nos organizando contra o Ghost, do gênero heavy metal, para que não façam mais discos ou turnês. Muitas pessoas que chegam agora no metal pensam que eles são sérios e que devemos esquecer bandas como Black Sabbath, Judas Priest, Iron Maiden, etc. Eles querem destruir o verdadeiro metal com a música sem sentido e carnavalesca deles. A música 'If You Have Ghost' é realmente algo que um metalhead ouviria? Eles não são metal. Pessoas dizem erroneamente que eles são inspirados por King Diamond/Mercyful Fate, o que está errado. Eles são, de fato, uma versão diluída do Blue Öyster Cult. Somos contra o Ghost continuar enquanto banda, e eles devem acabar assim que possível".

Na carta sugerida ao público, estão os dizeres:

"Para:
Ghost (banda)

Fizemos uma petição para que a banda Ghost acabe. Não acreditamos que o Ghost deve continuar a fazer música. O Ghost já causou muitos danos ao metal de verdade, então queremos que a banda e seus empresários não atuem mais.

Atenciosamente,
(Nome do sujeito)".
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.