sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Tony Iommi fala de época em que Black Sabbath era comandado por mafiosos
sexta-feira, agosto 08, 2014


O Black Sabbath nunca esteve envolvido com elementos muito bem aceitos pela sociedade. As letras sobre ocultismo e o abuso de drogas pelos integrantes ao longo da carreira são alguns exemplos.

No entanto, o guitarrista Tony Iommi revelou um envolvimento inusitado da banda em seus primeiros anos, em recente entrevista à revista Classic Rock. O músico afirmou que o grupo era empresariado por mafiosos.

"Conhecemos vários vilões da vida real no começo de nossa trajetória. Eles queriam nos empresariar. Um deles foi um homem chamado Wilf Pine. Ele foi um gângster que nos empresariou durante um tempo", afirmou Tony Iommi.

O músico contou que o modo de cobrança dos cachês, caso os contratantes não quisessem pagar, não era o mais adequado. "Nosso empresário andava com um cara gigante chamado Arnie, que tinha uma mala com um martelo enorme. Se eles não fossem pagos, quebravam os joelhos dos outros", disse.

Iommi relembra com saudosismo dessa época, pois não foram tempos fáceis para a banda. "Era o que rolava quando não existiam advogados especializados na indústria musical. Era necessário bater em alguém para obter a grana", concluiu.

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.