quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Scott Ian relembra quando Metallica demitiu Dave Mustaine, "o padrinho do thrash metal"
quinta-feira, outubro 02, 2014


A nova autobiografia do guitarrista do Anthrax, Scott Ian, intitulada "I'm The Man: The Story Of That Guy From Anthrax", está para ser lançada. Mas um trecho do livro já foi divulgado pelo site Radio.com. A parte publicada relembra o momento em que Dave Mustaine foi demitido do Metallica.

"Eles eram todos amigos de bebedeira e faziam m*rdas estúpidas. Mas quando Dave estava bêbado, ele poderia se tornar um completo c*zão. Ele já jogou pilhas de lixo em frente às salas de ensaio de outras bandas durante algumas madrugadas. E todos sabíamos porque o Metallica era a única banda que dormia ali. Então os músicos sempre batiam na porta do Metallica, querendo socar a cara deles", conta.

A saída de Dave Mustaine foi descrita sob a perspectiva de Scott Ian. Confira no trecho abaixo, mais extenso.

"Eu estava com eles em 9 de abril de 1983 quando eles tocavam no L'Amour, com Vandenberg e The Rods. Vandenberg estava no palco à tarde, fazendo a passagem de som, e Mustaine já estava loucão. Ele ficou no chão do local, gritando para que eles saíssem do palco, pois eram ruins. Johnny Z (empresário do Metallica e Anthrax na época) o tirou dali. Mas não acho que isso foi o suficiente para que fosse chutado da banda. Ele é o padrinho do thrash metal. Fez vários riffs em Kill 'Em All e Ride The Lightning. Sem ele, talvez o thrash metal nunca tivesse acontecido.

Um ou dois dias depois, fui ao Music Building e vi Cliff fumando.

Cliff: 'E aí?'
Scott: 'Nada. O que está rolando?'
Cliff: 'Nada de mais. Demitimos Dave. Ele está voltando para San Francisco'.

Dei risada porque Cliff estava sempre sendo sarcástico. Disse que foi engraçado e que iria subir ao estúdio, mas ele disse que estava falando sério e me falou para perguntar a James e Lars.

Subi as escadas, olhei em volta e não vi Dave em lugar nenhum. 'Cliff não te contou', James disse. 'Sim, mas ele está mentindo, certo?'. 'Não, demitimos Dave nessa manhã'. Ainda pensava que eles estivessem me zoando. 'Vocês têm shows chegando e gravarão um disco no próximo mês. Johnny Z sabe disso?'. 'Sim, falamos a ele dias atrás. Ele prometeu que não diria nada a Dave. Não saberíamos o que ele poderia fazer', Lars continuou.

Eles passaram toda a operação planejando com a precisão de uma invasão militar. O show no L'Amour foi o último de Dave. Eles compraram uma passagem de ônibus, só de ida, para Los Angeles e esperaram por uma noite em que Dave ficasse realmente bêbado, o que sabíamos que não demoraria. Havia uma estação perto do Music Building, o acordaram quando ele ainda estava inconsciente e o demitiram. Ele dormiu com as roupas, então nem esperaram que ele se vestisse. Só juntaram as coisas dele, que já estava em uma mala, e literalmente o colocaram no ônibus antes que ele entendesse o que estava acontecendo. Depois mandaram os equipamentos dele.

Fiquei de boca aberta, sem palavras, e Cliff disse: 'Eu te avisei'. Então, perguntei: 'O que farão em relação aos shows e gravações?'. 'Temos um cara vindo de uma banda de São Francisco, Exodus (Kirk Hammett). Ele está para chegar e vai se juntar à banda. Ele já sabe a maioria das músicas e está aprendendo os solos', disse Lars".

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.