quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Estudo aponta que carreira de Beyoncé é mais consistente que a dos Beatles
quinta-feira, novembro 06, 2014


O site Concert Hotels promoveu um estudo sobre a consistência da carreira de estrelas da música pop e rock. Para o cálculo, foram considerados quantas vezes os trabalhos dos artistas ficaram em primeiro lugar nas paradas dos Estados Unidos, mercado fonográfico mais forte no mundo. 

Os Beatles, considerados por muitos a maior banda da história da música contemporânea, chegaram ao topo das paradas dos Estados Unidos por 14 vezes. No entanto, há uma série de lançamentos do grupo no país entre 1963 e 1964 que não chegaram ao posto, assim como o disco "Yellow Submarine", de 1969. 

Por sua vez, Beyoncé chegou ao topo das paradas com todos os seus discos solo. A média faz com que a cantora tenha 100% de aproveitamento, apesar de ter apenas cinco álbuns solo: "Dangerously in Love" (2003), "B'Day" (2006), "I Am... Sasha Fierce" (2008), "4" (2011) e o autointitulado, lançado no final do ano passado. 

Vale destacar que a pesquisa leva apenas a média de lançamentos que chegam ao topo das paradas dos Estados Unidos em consideração, o que não permite uma lista muito precisa. Artistas como Kanye West, Rick Ross, Dave Matthews Band, Britney Spears, Eminem e DMX ficaram a frente dos Beatles. 

Em compensação, o aproveitamento dos Beatles foi melhor do que de outros nomes históricos, como Led Zeppelin, Madonna, U2, Metallica, Pearl Jam, Bruce Springsteen e, de forma espantosa, Michael Jackson. 
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.