segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Os 10 melhores discos de rock lançados em 2014
segunda-feira, dezembro 29, 2014

Considerei 2014 como um ano fraco em relação aos lançamentos no rock. Medalhões como Judas Priest e Slash me decepcionaram e discos aguardados, como o do Metallica ainda não chegaram ao público. Mas há muito sangue novo no top 10 abaixo, que reforça: se os dinossauros do rock estão para morrer, há alguns nomes fortes para substitui-los no futuro.

01RB

Royal Blood – “Royal Blood”

Faltou originalidade aos lançamentos de 2014. Nesse aspecto, o Royal Blood deu de lavada nos concorrentes. O duo britânico que só conta com voz, baixo e bateria se elevou ao patamar de revelações do rock logo em seu disco de estreia. Há claras influências de Led Zeppelin, Cream e Black Sabbath se unem ao frescor de Jack White e Queens Of The Stone Age. Mas não é só isso. Não é só deixar a afinação mais grave, acelerar em excesso, arrastar demais ou repetir clichês. O debut do Royal Blood tem som pesado de verdade, com criatividade.


02AC

AC/DC – “Rock Or Bust”

Relutei para não colocar o AC/DC no pódio. Mas “Rock Or Bust” já é um dos discos que mais ouvi em 2014, mesmo chegando ao público em novembro. O novo álbum apresenta um som oxigenado, pela mudança de afinação dos instrumentos de cordas (meio tom mais grave) e uma mistura de fases: há uma aposta em estilos de riffs, bases e cozinhas presentes nos primeiros trabalhos da banda, aliados a uma produção e ao estilo de cantar por parte de Brian Johnson que remete aos álbuns lançados na segunda década de 1980. Grande trabalho.


03RS

Rival Sons – “Great Western Valkyrie”

O Rival Sons cresce e promete penetrar no mainstream a cada álbum - especialmente porque eles investem em lançamentos de novas músicas e isso, sob meu ponto de vista, é o que consolida um grande grupo. “Great Western Valkyrie” bebe no blues hard rock disseminado na década de 1970, mas tem um ponto de encontro com os anos 2010: a voz aveludada e comerical de Jay Buchanan.


04FF

Foo Fighters – “Sonic Highways”

Após o maior êxito da carreira em “Wasting Light” (2011), seria natural que o Foo Fighters desse um passo adiante no lançamento seguinte. E “Sonic Highways” realmente mostra o momento mais sofisticado do quinteto. Cada melodia parece ter sido trabalhada como se fosse a última. Muitos esperavam um trabalho instintivo, como a maioria dos outros, mas “Sonic Highways” é diferente. Tem consistência enquanto full-length, canções poderosas, uma história por trás e diálogo com outros estilos, especialmente o rock clássico. Pode não descer de primeira, mas vale a insistência.


05WM

Wolfmother – “New Crown”

“New Crown” não traz muitas mudanças em comparação aos discos antecessores do Wolfmother. Para mim, um ponto positivo: a fórmula que mistura rock clássico com stoner e alguns momentos de heavy metal ainda tinha o que render. Os riffs poderosos, o formato trio que evidencia a cozinha e os vocais agudíssimos de Andrew Stockdale mostram que, em tempos de lançamentos fracos, o revival da década de 1970 continua firme.

06MB

Mr. Big – “...The Stories We Could Tell”

Não parecia planejado, mas o Mr. Big se reuniu às pressas para gravar e lançar “...The Stories We Could Tell” antes que a saúde do baterista Pat Torpey, diagnosticado com mal de Parkinson, piorasse. O disco é bem saudosista em relação às influências do grupo: dá para sentir um pouco do hard rock setentista nas canções. As músicas estão menos aceleradas e a virtuose não marca tanta presença. Como conjunto, trata-se de um álbum melhor do que o antecessor, “What If...” (2011).


07LK

Lenny Kravitz – “Strut”

Lenny Kravitz lançou um dos melhores discos lançados na década de 2010, o excelente “Black And White America” (2011). É natural que o sucessor não fosse tão bom. Mas ainda assim, “Strut” é ótimo. Aqui, Kravitz retomou suas influências roqueiras, que nos trabalhos anteriores deram lugar à black music, e desfilou hits ao longo da tracklist. Lenny não é só um bom cantor/guitarrista, mas também – e especialmente – um compositor de mão cheia.


08RM

Radio Moscow – “Magical Dirt”

O Radio Moscow tem mais cheiro de passado do que o próprio AC/DC, lembrado neste top 10. O som do trio liderado pelo grande Parker Griggs consegue apresentar elementos psicodélicos sem perder a concisão, algo que poucos conseguiram até hoje em meu ver. Sem muitas mudanças em relação aos lançamentos antecessores, “Magical Dirt” é mais um cartão de visitas do grupo, que traz blues, stoner, garage e hard rock setentista com doses de influência de Jimi Hendrix Experience. Não há nenhuma música ruim nesse trabalho.


09BP

Blues Pills – “Blues Pills”

Fãs mais entusiasmados comparam o Blues Pills ao Led Zeppelin e, de fato, há alguns elementos no disco de estreia dos novatos que remetem a um dos quartetos mais consagrados da música popular. Mas vamos com calma. O primeiro álbum dos suecos não é genial, só é muito divertido e bem tocado. A cantora Elin Larsson tem um timbre de voz bastante peculiar, o que dá o charme no grupo. Ainda sinto que podem evoluir, mas o pontapé inicial já entra no meu top 10 de 2014.


10AF

Ace Frehley – “Space Invader”

“Extra! Extra! Ace Frehley deixou de ser preguiçoso pela primeira vez desde o fim da década de 1980!”. Se “Space Invader” fosse um jornal, poderia ser anunciado dessa forma nas ruas. Mas é um disco – e dos bons. Frehley parece ter ouvido os fãs e proporcionado a eles o que queriam. Por isso, “Space Invader” é satisfatório: traz hard rock direto, cru, com ênfase nos riffs e solos e a pontinha de genialidade que colaborou na explosão do KISS há quase quarenta anos.

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.