quinta-feira, 30 de abril de 2015

10 curiosidades sobre o hit "Sweet Child O'Mine", do Guns N' Roses
quinta-feira, abril 30, 2015


Um dos grandes hits do rock, "Sweet Child O'Mine" traz a assinatura do Guns N' Roses em vários elementos: letras, riffs, solos, cozinha e nos característicos vocais de Axl Rose. Confira abaixo dez curiosidades sobre essa música:

1) "Sweet Child O'Mine" surgiu por acidente. Os integrantes do Guns N' Roses moravam juntos no meio da década de 1980. Há várias versões sobre o surgimento da canção, mas a mais comentada é que os guitarristas Slash e Izzy Stradlin, o baixista Duff McKagan e o baterista Steven Adler estavam na sala de estar quando Slash começou a tocar o lick de introdução, acompanhado posteriormente por Adler, que fez uma batida circense. Stradlin pediu para que Slash tocasse a passagem novamente e começou, junto de McKagan, a trabalhar na base. Slash dizia que a sequência que dá início à música é um "exercício pessoal idiota". No andar de cima da casa, Axl Rose ouviu o ensaio e começou a compor a letra. No dia seguinte, começaram a pré-produção de "Sweet Child O'Mine".

2) Axl Rose fez a letra para Erin Everly, sua namorada na época, a quem ele se refere como "doce criança" ("sweet child"). Eles se casaram posteriormente.

3) Em forma de agadrecimento, Axl Rose chegou a oferecer metade dos rendimentos dos direitos autorais da música para Erin Everly, afirmando que jamais teria feito a letra sem ela como inspiração.



4) Erin Everly aparece no videoclipe de "Sweet Child O'Mine", onde os membros da banda tocam a música em um teatro abandonado. Namoradas dos outros membros do Guns N' Roses aparecem no clipe, além do cão de Izzy Stradlin logo no início.

5) Existe uma versão alternativa desse videoclipe, com imagens diferentes e a metragem inteiramente preta e branca, que não está disponível no YouTube.

6) Quando a demo da música ainda estava sendo gravada, o produtor Spencer Proffer sugeriu uma parte adicional à música, pois ela se encerrava no solo do meio. Ele disse para os músicos pensarem em um "breakdown", momento em que a canção cai. Eles aceitaram, mas não sabiam o que fazer. Axl Rose começou a dizer para si mesmo "Where do we go? Where do we go now?" ("Para onde vamos? Para onde vamos agora?") e Proffer indicou justamente esse verso como trecho da parte "breakdown".

7) "Sweet Child O'Mine" foi editada e encurtada para o videoclipe da MTV e estações de rádio, com cortes nos solos de guitarra, inclusive do tão famoso riff inicial. A faixa passou de 5min56seg para 4min20seg. Isso gerou a ira dos membros do grupo, incluindo Axl Rose, que fez o seguinte comentário para a revista Rolling Stone em 1989: "Odiei a edição que fizeram na música. As estações de rádio me disseram que os vocais não seriam cortados, mas a minha parte preferida da canção era justamente os solos de guitarra. Não havia razão para que tivessem diminuido a música, exceto por quererem abrir mais espaço para os anúncios publicitários e com isso os proprietários das rádios faturarem mais dólares".

8) Um cover de "Sweet Child O'Mine" foi feito por Sheryl Crow e incluído no filme "O Paizão", de 1999. A canção aparece em uma cena onde Sonny Colfax (Adam Sandler) fica pensando em sua "doce criança", seu filho adotivo.

9) Em 2008, a versão original de "Sweet Child O'Mine" foi incluída na trilha sonora do filme "O Lutador". No entanto, devido ao pequeno orçamento disponível (US$ 6 milhões), Axl Rose cedeu o uso da música sem que fosse necessário qualquer pagamento.

10) A música chegou ao topo das paradas dos Estados Unidos, se tornando a primeira e única faixa do Guns N' Roses a chegar à primeira posição dos charts da Billboard. No levantamento geral do ano de 1988, foi considerada a quinta música do ano. No Reino Unido, chegou ao sexto lugar em 1989, quando foi relançada.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.