terça-feira, 25 de agosto de 2015

Alternativo e sofisticado: as “maravilhas” da Dingo Bells impressionam
terça-feira, agosto 25, 2015


“Não é a coisa mais fácil do mundo ser um ‘jovem adulto’ no século 21 no Brasil”. A frase do baixista Felipe Kautz, em entrevista exclusiva, sintetiza a perspectiva apresentada por “Maravilhas da vida moderna”, primeiro disco do trio de rock Dingo Bells, da capital gaúcha Porto Alegre. Viabilizado por meio de financiamento coletivo e lançado de forma independente em abril deste ano, o álbum tem composições que transitam por dilemas da vida de jovens que saíram, recentemente, da adolescência e lidam, especialmente, com a insegurança de um período de mudanças e progressiva independência.

Musicalmente, “Maravilhas da vida moderna” impressiona por suas melodias. Há um tom de atrevimento ao inserir algumas melodias menos convencionais. No geral, porém, o álbum tem uma veia pop e até alguns flertes com a MPB, já corriqueiros entre bandas de rock no Brasil. Fora do trio guitarra-baixo-bateria, há inserções ocasionais de violão, piano e instrumentos de sopro, geralmente, feitas pelos convidados.



Ainda assim, destacam-se as vozes: não só a principal, assumida pelo baterista Rodrigo Fischmann, mas também as de apoio, de Felipe Kautz e do guitarrista Diogo Brochmann. “Nesse trabalho, a gente traz, sim, muita influência de música pop, porque a gente ama isso. Sentimos falta da preocupação e da lapidação sonora que sempre fez parte da música pop e que, hoje, está mais difícil de encontrar”, afirma Kautz.

O senso crítico nas composições, somado à precisão e, até mesmo, a uma certa sofisticação na parte melódica – fez com que “Maravilhas da vida moderna” se tornasse um bom disco de rock alternativo, gênero que, ao longo dos anos, tomou cada vez mais elementos da música popular. “Buscamos agradar alguém que tenha um primeiro contato com a banda e a pessoa que vai ficar ouvindo o disco repetidamente para identificar os pequenos detalhes que estão por trás das gravações”, diz Kautz.

CD físico

O formato do CD físico “Maravilhas da vida moderna” chama a atenção. A embalagem tem quase o tamanho de um vinil e a capa pode ser modificada a partir das imagens disponibilizadas, já que a “carcaça” do disco serve como um tipo de moldura. Há quatro artes, em preto e branco, numa espécie de papel encorpado. Todas em um tom relativamente melancólico.

“A ideia era criar um formato físico que se justificasse enquanto objeto, não simplesmente como uma embalagem de CD. Os artistas fizeram as suas leituras das nossas músicas e chegamos nesse formato que combina fotografia analógica, desenho e manipulação digital”, afirma o baixista Felipe Kautz.

Spotify

Em julho deste ano, três músicas da Dingo Bells, retiradas de “Maravilhas da vida moderna”, foram incluídas em uma lista do serviço de música em streaming Spotify, que tinha o objetivo de mostrar as músicas mais características ouvidas por determinada região. Na ocasião, a banda estava entre os representantes de Porto Alegre.

O baixista Felipe Kautz descreveu como “incrível” a sensação de reconhecimento proporcionada por essa ocasião. “A gente não tinha entendido direito o significado da lista inicialmente. Daí, fomos atrás e ficamos muito felizes com o resultado. Acho que a busca que fizemos para encontrar essa sonoridade direta e acessível está fazendo sentido”, diz o músico.

Além do formato físico e do Spotify, “Maravilhas da vida moderna” está disponível nas plataformas Deezer, Rdio e YouTube, além de download gratuito no site.

Faixas

1. Eu vim passear
2. Mistério dos 30
3. Fugiu do dia
4. Dinossauros
5. Maria Certeza
6. Olhos fechados pro azar
7. Bahia
8. Hoje o céu
9. Funcionário do mês
10. Anéis de Saturno
11. Todo nó

Entrevista

Igor Miranda: “Maravilhas da vida moderna” tem certo tom melancólico. Até que ponto foi intencional?

Felipe Kautz: Acredito que a melancolia seja, sim, algo importante na construção do “Maravilhas da vida moderna”. Não diria que foi algo intencional, mas, durante o processo de composição das músicas, surgiram várias discussões e observações sobre a realidade que se mostrava para nós e a melancolia foi uma forma de encarar essas coisas que vemos por aí todo dia. De todo modo, acho que essa característica fica mais clara nas letras do que propriamente na sonoridade do álbum.

Ainda sobre as letras, vários questionamentos do início da vida adulta são percebidos entre os versos. Dá para dizer que os temas que envolvem a vida do “jovem adulto” também tem ficado mais “pra baixo”?

Não é a coisa mais fácil do mundo ser um “jovem adulto” no século 21 no Brasil, ainda mais se você trabalha com cultura, como é o nosso caso. Os temas e questionamentos que a Dingo Bells propõe no disco refletem um momento da banda e uma série de escolhas que a gente fez ao longo do processo desse disco. De fato, buscamos abordar temas de caráter reflexivo e existencial, porque achamos isso importante e porque diz bastante sobre nós, ainda mais por se tratar do nosso primeiro disco da carreira. Acredito que as perguntas que fazemos ao longo do álbum servem tanto para nós quanto para as pessoas que queremos atingir.

Como as composições são trabalhadas e o que foi trazido de mais influente para o som de vocês?

As composições, em sua maioria, foram trabalhadas por nós três durante uma imersão bastante intensa que passou pela pré-produção e foi até a gravação do disco. Normalmente, nós reunimos ideias isoladas e começamos a ver como elas podem se encaixar ou começamos do zero, buscando coisas que soem interessantes. A sonoridade e a linguagem da Dingo Bells são resultado desse trabalho coletivo, em que a gente traz, sim, muita influência de música pop, porque a gente ama isso.

O formato do CD me chamou a atenção. A embalagem tem quase o tamanho de um vinil e a capa pode ser modificada a partir das imagens disponibilizadas. Como foi a concepção desse formato?

Nós voltamos da pré-produção com o conceito de “Maravilhas da vida moderna”. A partir disso, trabalhamos em conjunto com o Rodrigo Marroni, o Lipe Albuquerque e o Leo Lage no desenvolvimento dessa parte gráfica. A ideia era criar um formato físico que se justificasse enquanto objeto, não simplesmente como uma embalagem de CD. Os artistas fizeram as suas leituras das nossas músicas e chegamos nesse formato que combina fotografia analógica, desenho e manipulação digital. Ou seja, fora o significado das imagens, o processo em si – que envolveu uma série de técnicas antigas e modernas – dialoga com esse conceito do disco.

Vocês, recentemente, foram incluídos em uma playlist do Spotify que mostra as músicas mais características ouvidas por determinada região. Na ocasião, vocês estavam entre os representantes de Porto Alegre. Como vocês ficaram sabendo disso e como foi receber essa notícia?

Ficamos sabendo disso de forma bem despretensiosa e sem cerimônias por meio de uma amiga. A gente não tinha entendido direito o significado da lista inicialmente. Daí, fomos atrás e ficamos muito felizes com o resultado. Acho que a busca que fizemos para encontrar essa sonoridade direta e acessível que eu havia comentado está fazendo sentido. E essa sensação é incrível.

Com o disco lançado, quais são os planos para a banda dentro do futuro próximo?

Agora nós queremos chegar até as pessoas. Estamos no meio de uma turnê nacional com a banda Maglore, que acabou de lançar o excelente disco “III”, e a ideia é agendar mais datas pelo Brasil. Ainda temos nos planos um videoclipe que já está sendo finalizado e planos de lançamento de um vinil do “Maravilhas da Vida Moderna”.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.