domingo, 9 de agosto de 2015

Em agosto de 1992, um desastroso show conjunto de Guns N' Roses e Metallica
domingo, agosto 09, 2015


O Metallica e o Guns N’ Roses eram as duas bandas mais populares de Rock na América – e até mesmo no mundo -, graças principalmente ao sucesso dos lançamentos do “Black Album” e dos dois “Use Your Illusion”, em 1991, correspondentes aos grupos citados anterior e respectivamente. Por sorte, o Metallica era uma das poucas grandes bandas do gênero que não tinham desavenças com o Guns N’ Roses (especialmente com o vocalista Axl Rose). Dessa forma, surgiu a Guns N’ Roses/Metallica Stadium Tour: uma turnê conjunta, com as duas bandas assumindo o headline, pela América do Norte. A tour durou de 17 de julho até 6 de outubro de 1992.

Mas não é sobre a turnê em geral que este texto fala. É sobre o seu incidente mais curioso, que ocorreu em 8 de agosto de 1992 – no Stade Olympique da cidade de Montreal, Canadá.

Veja também:
- Lars Ulrich é, sim, um ótimo baterista
- Izzy Stradlin: mitos e contradições sobre o "não" ao Guns N' Roses
- Veja a humilde lista de exigências do Metallica em 1983

Durante o show do Metallica (mais precisamente na introdução da música Fade To Black), o frontman James Hetfield sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus em seus braços, mãos, pernas, costas e rosto, principalmente na parte esquerda do corpo. O acidente, causado graças a uma confusão relacionada ao novo sistema de pirotecnia, ocorreu porque Hetfield ficou em um local de onde sairia uma chama de aproximadamente 4 metros.

James Hetfield expõe parte da lesão

Segundo relatos dos integrantes, o ocorrido foi tão grave que James poderia ter falecido. Após Hetfield ser levado para o hospital, Lars Ulrich foi até o microfone principal e anunciou o fim do show do Metallica, passando para a próxima atração, o Guns N’ Roses. Vale ressaltar que, para o resto da turnê, o guitarrista John Marshall (Metal Church), que já havia sido roadie da banda no passado, assumiu o posto da guitarra rítmica enquanto James Hetfield se recuperava e apenas cantava nos shows. Marshall também fez isso no passado: em 1986, teve que tocar guitarra em algumas datas porque o frontman havia sofrido um acidente enquanto andava de skate.

Repertório do Metallica na noite de 08/08/1992:

01. The Ecstasy of Gold (Ennio Morricone song)
02. Creeping Death
03. Harvester of Sorrow
04. Welcome Home (Sanitarium)
05. Sad But True
06. Wherever I May Roam
07. Of Wolf and Man
08. For Whom the Bell Tolls
09. The Unforgiven
10. The Shortest Straw
11. Bass/Guitar Solos
12. Fade to Black



Acima, vídeo com trecho do incêndio de James Hetfield + performance de Nothing Else Matters, com John Marshall, duas semanas após o ocorrido

Os problemas não pararam por aí. Um longo atraso precedeu a performance do Guns N’ Roses. Além dos costumeiros problemas de Axl Rose com seu relógio, o acidente anterior prejudicou a dinâmica da troca de palco. O público começava a ficar inquieto, mas a entrada da “banda mais perigosa do mundo” acalmou os ânimos dos presentes. Não por muito tempo.

O início da apresentação foi tocado “na marra”, pois os amplificadores de retorno não estavam devidamente programados para a banda. Ou seja, os músicos não conseguiam ouvir o que tocavam. Aparentemente, isso não foi resolvido e por volta dos 40 minutos de performance, Axl Rose alegou problemas de garganta e deixou o palco, forçando o show a acabar naquele momento. O problema com a garganta era verídico, segundo Lars Ulrich, que relatou em entrevista à MTV na época que o incômodo foi uma constante para Rose nas quatro datas anteriores.

Repertório do Guns N’ Roses na noite de 08/08/1992:

01. It’s So Easy
02. Mr. Brownstone
03. Live and Let Die (Paul McCartney & Wings cover)
04. Attitude (Misfits cover)
05. Nightrain
06. Perfect Crime
07. Bad Obsession
08. Double Talkin’ Jive
09. Civil War



As apresentações das bandas headliners, que costumavam durar pouco mais de quatro horas, não passaram de duas horas dessa vez. Os fãs, revoltados, começaram uma confusão no local e saíram pelas ruas quebrando tudo. Carros foram virados, janelas foram quebradas e estabelecimentos comerciais foram saqueados por toda a cidade, além da tentativa de promover incêndios. Nem mesmo as autoridades de Montreal conseguiram conter o ato de vandalismo com eficácia. Além da destruição material, 13 populares e três policiais foram feridos.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.