quinta-feira, 21 de julho de 2016

Flea, do Red Hot Chili Peppers, fala sobre racismo e armas nos EUA: "patético"
quinta-feira, julho 21, 2016


O baixista Flea, do Red Hot Chili Peppers, saiu um pouco da zona de conforto durante uma entrevista à CBC Ottawa. O músico não só falou do novo álbum da banda, "The Getaway", como também deu sua opinião sobre assuntos polêmicos e de repercussão nos Estados Unidos.

Atualmente, o país vive uma situação de incerteza na área política, com o super-conservador Donald Trump ganhando força eleitoral na corrida à presidência. O cenário negativo se potencializou com casos de assassinatos de negros e o medo do terrorismo.

Flea fez uma relação entre os distintos casos de violência nos Estados Unidos e a falta de otimismo por parte da população americana. "A situação com pessoas se matando, o racismo sistêmico nos Estados Unidos, um romance patético com as armas de fogo. Existe também o terrorismo e a revolta contra ele. Assim, as pessoas não se sentem conectadas", diz.

O músico acredita que a situação vivida pelo país ultimamente ajuda a construir um cenário de tristeza e até de doença. "Você fica tão sozinho, elimina tanto o mundo, que acha que está contra uma pessoa e que essa pessoa está contra você. Você constrói medo e ódio que se transforma em algo doente e você se torna um assassino. É uma doença, é doente, é muito triste", afirma.

Clique aqui para assistir à entrevista na íntegra (em inglês e sem legendas):

Veja também: 

- Ouça o baixo isolado de Flea nas músicas do Red Hot Chili Peppers
- Os passatempos mais improváveis de estrelas da música
- Vídeo mostra 100 linhas de baixo famosas em 13 minutos
- Flea se revela fã de MC Guimê e toca música do funkeiro
- 53 pessoas prestam queixa contra mamilos do Red Hot Chili Peppers nos EUA
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.