quarta-feira, 13 de julho de 2016

Pitty pede fim de grito de "gostosa" durante shows
quarta-feira, julho 13, 2016


Em um trecho do novo DVD, "Turnê Setevidas - Ao vivo", Pitty pediu para que o público não a chamasse mais de "gostosa". O registro mostra uma recente apresentação da roqueira em Salvador.

"Pera aí. Venho tentando lidar com esse tipo de situação de várias formas. Já ignorei, já levei na brincadeira, mas eu tô em casa, me sinto à vontade. Isso não é legal. Sei que a intenção é elogiar, mas fico constrangida", disse, durante a apresentação, após a plateia entoar o coro "Pitty, gostosa".

Não deixe de ler:
Pitty afirma buscar lugar "entre Ratos de Porão e Ivete Sangalo"
Confira 10 bons nomes femininos no hard rock
Lista: artistas brasileiros que chegaram às paradas dos Estados Unidos
Lista: 10 divas pop cantando clássicos do rock

Em entrevista ao G1, Pitty explicou que gosta de ter intimidade com os fãs e ver que eles a entendem. "As pessoas vêm tendo mais consciência de que isso não é legal porque mulheres têm se manifestado, feito barulho. É preciso dizer o que o que incomoda", disse.

Não é de agora que Pitty se incomoda com esse tipo de abordagem. Registros de 2014 apontam que a cantora já havia demonstrado insatisfação com o que muitos classificam como "elogio".

"A mulher é vista como uma coisa a ser tomada, tida, possuída. Um objeto que está ali para o divertimento e deleite visual do homem. Um bom exemplo disso são as campanhas de cerveja, por exemplo. Ou o fato de você andar na rua e ser obrigada a escutar coisas nojentas e desrespeitosas. A maioria dos homens aprendeu que tudo bem agir dessa forma, que é um direito dele, ou que isso é 'elogio'. E ninguém havia perguntado como as mulheres se sentiam em relação a isso", disse a cantora, ao G1.

Clique aqui para assistir ao trecho do DVD em que Pitty pede para que não seja chamada de "gostosa" pela plateia e para conferir a íntegra da entrevista ao G1.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.