segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Há 25 anos, Metallica chegava ao mainstream com o clipe de "Enter Sandman"
segunda-feira, agosto 01, 2016


Desde o lançamento de "Master Of Puppets", em 1986, o Metallica se tornou uma atração gigante no metal. Por mais que seja mórbido dizer isso, a morte do baixista Cliff Burton deu exposição extra à banda e o álbum seguinte, "...And Justice For All", conseguiu uma repercussão excelente. Tudo isso em um momento na indústria fonográfica onde o metal tinha alguma evidência.

No entanto, o metal estava, em geral, restrito a adolescentes e jovens adultos - especialmente nos Estados Unidos, mercado mais poderoso da música. Atrações mais gerais no rock conseguiram transcender algumas barreiras e se tornarem atrações universais ainda na década de 1980, como o Queen e o U2. Ninguém esperava isso do Metallica - até 1991.

Lançado em 30 de julho de 1991, o clipe de "Enter Sandman" antecipou o estardalhaço que o disco autointitulado, conhecido como "Black Album" e divulgado 13 dias depois, faria com o mercado da música. Ainda hoje, "Black Album" bate recordes. E tudo começou com "Enter Sandman".



Curiosamente, o Metallica não lançou muitos clipes na década de 1980. "One" foi o primeiro - e único - até o início dos anos 1990. Com isso, a banda não contava com tanto apoio da MTV, que ditava tendências na música até então.

Faltava o público da MTV, que, consequentemente, conduziria o Metallica às rádios e tornaria a banda uma atração além-metal. Um passo enorme que já estava sendo dado com a orientação menos heavy que "Black Album", gravado e pronto para ser lançado, teve.

A música responsável pelo passo tão importante não seria "Enter Sandman", mas sim "Holier Than Thou", que abriria o disco e seria o primeiro single. Ainda bem que mudaram de ideia - gosto de ambas, mas "Enter Sandman" se provou com o tempo.

"Enter Sandman" foi gravado pelo diretor Wayne Isham, que seria o diretor de "One", mas recusou o posto porque se declarou "fã demais" do Metallica. Três anos depois, a situação mudou - Isham continuou um grande admirador da banda, mas se sentia preparado para o trabalho.



As filmagens de "Enter Sandman" foram feitas no mesmo estúdio onde a banda gravava o disco. Cada integrante gastou cerca de duas horas para registrar suas cenas, que foram feitas à parte da temática principal.

Caótico como o Metallica gostaria que fosse, o clipe de "Enter Sandman" mostra uma criança que tem pesadelos com um homem idoso, interpretado por R.G. Armstrong, lendário ator de filmes com temática de Velho Oeste. O menino sonha estar se afogando, caindo do topo de um edifício, coberto por serpentes e, enfim, caindo de uma montanha enquanto foge de um caminhão. Tudo entrelaçado por takes onde os músicos da banda aparecem tocando.

Em entrevistas anteriores, o baterista Lars Ulrich acreditava que "Enter Sandman" seria censurado na MTV. "Saiu melhor que a encomenda. Achei que tinham sequências muito boas, mas estava inseguro sobre a cobra rastejando no rosto do menino. Achei que os censores da MTV implicariam com isso, mas vejam só, eu estava errado", afirmou.

O bom resultado com a música e com o clipe garantiu ao Metallica não só a entrada ao mainstream, de onde nunca saiu, como também reconhecimento crítico. O vídeo, por exemplo, conquistou o prêmio de Melhor Vídeo de Hard Rock do MTV Video Music Awards (VMA) de 1992, além de indicações para Melhor Edição e Melhor Cinematografia.



Já a canção entrou para as paradas de mais de 10 países, incluindo Estados Unidos (16° lugar) e Reino Unido (5ª posição). Foi um chamariz para que "Black Album" vendesse tantas cópias - até o momento, mais de 16 milhões somente nos EUA.

Leia também:

- Veja a humilde lista de exigências do Metallica em 1983
- Lars Ulrich é, sim, um ótimo baterista
- Em agosto de 1992, um desastroso show conjunto de Guns N' Roses e Metallica
- Jason Newsted foi melhor do que Cliff Burton no Metallica?
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.