segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Megadeth: os 30 anos do caótico "Peace Sells... But Who's Buying?"
segunda-feira, setembro 19, 2016


Megadeth: "Peace Sells... But Who's Buying?"
Lançado em 19 de setembro de 1986

O Megadeth passou por um caminho tortuoso - muitas vezes, complicado por seu próprio líder, Dave Mustaine - até "Peace Sells... But Who's Buying?". Mas valeu a pena: o primeiro disco lançado pela banda em uma gravadora major segue como um dos trabalhos mais influentes do thrash metal.

Não dá para falar da trajetória de Dave Mustaine sem mencionar sua expulsão do Metallica. Mustaine cometeu seus erros, já que era um porra-louca naquela época, mas foi o principal responsável pela sonoridade conquistada pela banda que o demitiu em 1983.

Alimentado por um juvenil desejo de vingança, Dave Mustaine formou o Megadeth, que demorou para estabilizar-se em uma formação. Com Mustaine (voz e guitarra), David Ellefson (baixo), Chris Poland (guitarra) e Gar Samuelson (bateria), lançaram "Killing Is My Business... and Business Is Good!" (1985), que, em muitos momentos, soa como uma demo, até pelo baixo orçamento.



Por outro lado, foi o suficiente para que a banda assinasse um contrato com a Capitol Records e lançasse, em 1986, "Peace Sells... But Who's Buying?". O orçamento ainda era relativamente baixo: em 1986 e com US$ 25 mil, não dava para se fazer muito em um estúdio. Mesmo assim, deu para trazer um produtor de fora e trabalhar em um disco de verdade, sem soar como um mero registro ao vivo.

Como resultado, o quarteto conseguiu fazer o disco que é, na minha opinião, o mais pesado do Megadeth. Falo de tensão, não de velocidade ou BPM. "Peace Sells... But Who's Buying?" é agressivo do início ao fim em tudo: instrumental, melodias, letras e mensagens.



Neste disco, o instrumental ganhou densidade e até complexidade. "Wake Up Dead", por exemplo, tem um show de riffs e mudanças imprevisíveis de andamento. "Devil's Island", por sua vez, é pesada sem precisar de timbres graves ou batidas mega-aceleradas. Outra que merece menção é "Good Mourning/Black Friday", que, apesar da gravação desvalorizá-la, tem uma das linhas instrumentais mais complexas da banda.

As letras ainda mostram os dois lados de Dave Mustaine, nítidos ao longo de sua carreira. Demonstra inteligência e perspicácia, como na ácida letra de "Peace Sells", ao mesmo tempo em que consegue soar juvenil na composição de "The Conjuring", que traz instruções de como praticar magia negra - não à toa, a faixa passou a ser ignorada pelo já convertido Mustaine nos repertórios do Megadeth ao longo dos anos.



"Peace Sells... But Who's Buying?" foi o disco responsável por apresentar o Megadeth ao underground metálico em um efervescente cenário mundial, visto que o sucesso só veio de verdade com os discos seguintes. Mais do que isso: reflete o momento caótico vivido pelos quatro integrantes.

Todos eram dependentes químicos e, menos de um ano após o lançamento deste álbum, dois deles - Chris Poland e Gar Samuelson - já nem integravam mais a banda. "Peace Sells... But Who's Buying?" é confuso, sincero e indispensável para fãs de música pesada.



Dave Mustaine (vocais, guitarra)
Chris Poland (guitarra)
David Ellefson (baixo, backing vocals)
Gar Samuelson (bateria)

01. Wake Up Dead
02. The Conjuring
03. Peace Sells
04. Devils Island
05. Good Mourning/Black Friday
06. Bad Omen
07. I Ain’t Superstitious (Willie Dixon cover)
08. My Last Words

Veja também:

- "Youthanasia", a redenção melódica do Megadeth
- O renascimento do Megadeth com "The System Has Failed"
- Com técnica e muito peso, Megadeth se supera em "Dystopia"
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.