segunda-feira, 31 de outubro de 2016

"Achei que ficaria no Motörhead até morrer", diz "Fast" Eddie Clarke
segunda-feira, outubro 31, 2016


O guitarrista "Fast" Eddie Clarke disse, em entrevista ao Metal Express Radio, que nunca imaginou que sairia do Motörhead, banda que integrou entre 1976 e 1982. A desilusão após a sua saída fez com que o músico se afastasse intencionalmente do metal em projetos futuros.

"Na época, me senti traído por Phil e Lemmy. Disse que sairia se eles trabalhassem com Wendy O. Williams. Não esperava que fossem", afirmou o músico.

Veja também:
- Descanse em paz, Lemmy Kilmister
- Os 10 maiores trios do rock

Clarke disse que sentia que o Motörhead também era a sua banda. "Saí sem nada em mãos. Sem dinheiro, instrumentos, nada. Quis romper meus laços com o heavy metal, deixei de lado minha jaqueta de couro e fiz algo mais blues. Pensei que morreria no Motörhead, nunca achei que fosse sair da banda", afirmou.

O músico também revelou o que pensou quando escutou "Another Perfect Day", o primeiro disco lançado sem ele - e com Brian Robertson no seu lugar. "Achei que soou como Thin Lizzy. Nada original ali. Não dei bola e não escutei muito. Estava furioso na época. Phil me ligou anos depois e pediu desculpas por tudo, então ficamos bem até ele ter falecido no último ano", disse.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.