quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Em 1985, Axl Rose e Slash escaparam da acusação de estupro de menor
quinta-feira, janeiro 05, 2017


Em mais um trecho revelado de seu novo livro, "Last of the Giants: The True Story of Guns N’ Roses", Mick Wall falou sobre um incidente criminal envolvendo Axl Rose e Slash. Em meados de 1985, os músicos do Guns N' Roses conseguiram escapar de uma acusação legal por estupro de uma adolescente de 15 anos. A jovem em questão se chamava Michelle.

"Uma garota nua, menor de idade, correndo de adultos em uma das ruas mais cheias de Los Angeles não ia passar despercebida. Em algumas horas, a polícia de Los Angeles voltou à 'Hell House' (onde os músicos do Guns N' Roses moravam) para identificar quem fez isto. Todos da casa foram levados para fora, exceto Axl, que se escondeu atrás de um equipamento com outra garota. 'Enquanto os policiais estão lá fora, fazendo suas perguntas estúpidas, estou com essa garota atrás do amplificador e começamos a fazer aquilo. Fugi daquilo e foi muito emocionante', disse Axl, posteriormente.

A polícia saiu e avisou que Axl precisava se entregar. Alguns dias depois, a garagem foi invadida e buscas foram feitas. A banda foi informada que a menina e seus pais fariam acusações de estupro (um menor era considerado, por lei, incapaz de fazer relações sexuais com consentimento) contra Axl e Slash. Havia rumores de que a garagem estava sob vigilância de oficiais disfarçados. Apesar do estresse de Axl, ele e Slash saíram de cena quando a realidade - e a possibilidade de ficarem presos por cinco anos - bateu na porta. Slash foi morar num apartamento que Steven Adler dividia com uma nova namorada, Monica, uma stripper do Seventh Veil - e com quem Slash afirma ter tido ótimos 'threesomes' - enquanto Axl dormia na rua em West Hollywood, usando o estacionamento da Tower Records, banheiros em postos de gasolina e restaurantes baratos.

Eles estavam com medo de tocar ao vivo pela possibilidade de Axl, Slash ou ambos serem presos no palco. Eles cancelaram um show no Music Machine e não marcaram mais nada. Slash ligou para Vicky Hamilton, uma mulher que por vezes servia de agente da banda, e implorou para que ela acolhesse Axl em sua casa por alguns dias. Ela tinha um apartamento de uma cama que ela conseguiu após renunciar interesse na gestão do Poison, que estava prestes a estourar naquela época. Ela já dividia o apartamento com uma amiga, Jennifer Perry, e trabalhava como agente para a Silver Lining Entertainment, além de ajudar o Guns N' Roses por fora (mesmo após o Guns sair na 'Hell Tour', Hamilton se disponibilizou à banda 24 horas por dia, 7 dias por semana). Tal arranjo se solidificou assim que Axl apareceu como fugitivo da polícia."

Os parágrafos abaixo são um depoimento de Vicky Hamilton:

"Recebi uma ligação de Slash, perguntando se Axl poderia ficar aqui e eu questionei o motivo. Slash respondeu que os tiras estavam atrás dele. Eu perguntei o motivo e ele respondeu: 'Axl tinha uma garota no sótão, acho que fizeram sexo, mas ele se irritou e a trancou do lado de fora sem suas roupas e ela foi à polícia e disse que ele a estuprou'. Fiquei impressionada e não sabia o que dizer. Slash implorou e eu concordei com alguns dias. Minutos depois, Axl chegou com uma saco de lixo e uma pequena mala com suas posses mundanas.

'Meu Deus, muito obrigado. Vicky, você salvou a minha vida', ele disse. Questionei o que havia acontecido e ele disse, 'foi algo estúpido, envolvendo uma garota... não acontecerá de novo'. Axl prometeu. Ele não me deu outras informações. Tudo o que escutei depois, sobre o incidente, foi boato."

Veja também: Duas mulheres conduziram a reunião do Guns N' Roses; saiba quem são
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.