quarta-feira, 5 de julho de 2017

Com Van Halen inativo, reunião com Sammy Hagar é grande ilusão
quarta-feira, julho 05, 2017


Sammy Hagar é um grande vocalista, de trajetória irretocável. Sua discografia, solo e com o Montrose, já era consistente antes mesmo de ele ter entrado para o Van Halen. Contudo, a sua postura diante da mídia é questionável - e, de certa forma, interfere na sua imagem diante da opinião pública.

De postura forçada, Sammy Hagar sempre engloba duas pautas, díspares entre si, em suas entrevistas: ou ele fala mal dos irmãos Eddie e Alex Van Halen, respectivamente guitarrista e baterista do Van Halen, ou sugere algum tipo de reunião. Todos sabem que o retorno de Hagar à banda não vai acontecer, mas o cantor ainda tem insistido, até agora, que o momento atual é propício para seu retorno ao grupo.



Pior ainda é que Sammy Hagar propõe que David Lee Roth seja mantido em seu posto atual de frontman, para que seja uma reunião com dois vocalistas. A tiracolo, o retorno do baixista Michael Anthony também é solicitado.

A impressão deixada é que Sammy Hagar quer tirar proveito das farpas trocadas, por meio de declarações na imprensa, entre David Lee Roth e Eddie Van Halen. O guitarrista disparou contra o cantor em entrevista concedida à "Billboard", no ano de 2015, após dizer que um novo disco não é lançado porque DLR só gosta de dance music e afirmar que o cantor não quer ser amigo dele. Sobrou também para Michael Anthony, a quem Eddie acusa de não ter composto uma nota dos álbuns do grupo.



Seja pela grana, pela exposição ou por qualquer motivo oculto, Sammy Hagar enxerga a sempre conflituosa situação interna do Van Halen como uma possibilidade para retornar. Só que isso não vai acontecer, a não ser que um milagre ocorra.

Há tantos motivos para que o retorno de Sammy Hagar ao Van Halen não aconteça que nem sei por onde começar. Essas razões não envolvem somente os irmãos Van Halen, mas, também, englobam David Lee Roth.

Hibernação

Dá para começar com a inatividade do Van Halen nos últimos anos. Desde o retorno de David Lee Roth, em 2007, foram feitos, aproximadamente, 130 shows. Diluídos em uma década, representam uma média de 13 apresentações anuais.

O grupo excursionou, de forma mais ostensiva, para anunciar a volta de DLR entre os anos de 2007 e 2008. Depois, promoveu na estrada, com cerca de 60 performances, o disco "A Different Kind Of Truth" entre 2012 e 2013. Mais 40 shows, aproximadamente, foram realizados para divulgar "Tokyo Dome Live In Concert" em 2015. E só.



A falta de atividade do Van Halen na estrada e em estúdio é um reflexo de que seus envolvidos (ou ao menos alguns deles) não têm interesse em voltar ao batente. E, apesar de não ser pretexto, os integrantes têm mais de 60 anos - com exceção do baixista e filho de Eddie, Wolfgang Van Halen, que tem 26.

O membro mais jovem do Van Halen, pelo que se vê em suas redes sociais, já está focado em outros projetos que não são a banda de seu pai. Trata-se de outro reflexo de que o Van Halen entrou em modo de hibernação sem avisar o público.



Ao menos pela atividade recente do Van Halen, não há interesse nem mesmo em seguir com David Lee Roth ou com qualquer vocalista que seja - quem dirá com Sammy Hagar e Michael Anthony, em um processo que envolve a revitalização de tretas anteriores.

Rancor

Não seria de se espantar que Alex e, especialmente, Eddie Van Halen acumulem certo rancor de Sammy Hagar. Ele tem dado motivos para isso de forma sucessiva, por meio de suas declarações na imprensa.

O discurso ficou mais brando nos últimos tempos, pois Sammy Hagar está interessado em retornar ao Van Halen. Contudo, desde que a reunião de 2004 fracassou e acabou em briga, Sammy esbraveja aos quatro mundos contra sua ex-banda e, mais especificamente, o guitarrista-líder do grupo.



A treta mais recente ocorreu logo após a entrevista de Eddie Van Halen à "Billboard", em 2015. Sammy Hagar chegou a mandar o guitarrista tomar naquele lugar e a chamá-lo de mentiroso devido às afirmações contra Michael Anthony. Depois disso, curiosamente, o discurso ficou mais brando - com direito a uma troca de tweets em que Eddie respondeu a uma mensagem de feliz aniversário enviada por Sammy pelo Twitter.

Hagar já falou tanto sobre Alex e Eddie Van Halen na imprensa que aceitá-lo de volta à banda seria um grande exercício de perdão. E, aparentemente, os irmãos Van Halen não parecem estar dispostos a exercitar esse sentimento no momento. Em termos técnicos, nem precisaria: o retorno de David Lee Roth, que segue como vocalista do grupo, era o que grande parte dos fãs esperavam.



Sammy versus DLR

Nem os vocalistas se dão bem. Sammy Hagar e David Lee Roth tiveram diversos problemas entre si desde que resolveram fazer uma turnê conjunta, no ano de 2002.



Na ocasião, as bandas solo dos cantores se juntaram para provocar o Van Halen na turnê conjunta "Song For Song, The Heavyweight Champs Of Rock And Roll". E deu treta: após o fim da tour, Sammy acusou DLR de cancelar um show em Long Island porque ele só tocaria no Madison Square Garden a partir daquele momento.

Em outro momento, Sammy Hagar mencionou que David Lee Roth se recusava a fazer um dueto com ele. Mesmo com o pedido de Kid Rock, que foi ao camarim antes de uma das apresentações e pediu a performance conjunta, DLR teria, segundo Sammy, "inventado" uma dor de garganta para evitar o momento compartilhado.

Mais recentemente, em 2015, Sammy Hagar detonou os vocais de David Lee Roth no disco ao vivo "Tokyo Dome Live In Concert". E o debate começou após DLR ter dito que os discos de Sammy no Van Halen tiveram vendas apenas medianas. "Quando Diamond estiver cantando sua próxima música, com certeza teremos um problema de qualidade", respondeu Hagar, na ocasião.

Com todo esse contexto, repito: só um milagre faria com que Michael Anthony e, em especial, Sammy Hagar voltassem ao Van Halen.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.