quarta-feira, 13 de setembro de 2017

'A guitarra pode ter chegado ao fim', diz Eric Clapton
quarta-feira, setembro 13, 2017


Eric Clapton não está muito animado com relação ao futuro do rock e subgêneros que destacam a guitarra. Em entrevista à Billboard, o músico deu sua opinião sobre as vendas cada vez mais baixas do instrumento e o fato de os jovens preferirem a música eletrônica nos dias de hoje.

Inicialmente, Clapton disse que desconhecia a situação atual. "Eu não sabia que as coisas estavam tão ruim assim (risos). Estou desligado de tudo, não sei do que está acontecendo. Também não sei o que irá acontecer. Eu acho que tudo que seja relacionado a um processo natural irá chegar onde deve estar", afirmou.

- Saiba mais sobre a doença que acometeu Eric Clapton

Em seguida, o músico comentou que seus filhos ouvem classic rock, mas que a culpa pode ser ele, pois foi esse estilo de música que foi mostrado aos garotos. "Desde que eles foram concebidos, eles ouvem música pelo útero. Tocava playlists e fazia lavagem cerebral. Sempre tinha guitarra, algum instrumento ou cantor. Acho que, na música, tudo é bom. Mesmo coisas que não parecem boas, são boas", afirmou.

Por fim, a Billboard apresentou estatísticas sobre vendas de guitarras a Eric Clapton. Hoje em dia, cerca de 1 milhão de guitarras são vendidas por ano, em comparação a 1,5 milhão anuais de algum tempo atrás. Além disso, as duas maiores empresas produtoras do instrumento, Gibson e Fender, passam por dificuldades financeiras, e a terceira, PRS, teve que cortar funcionários e investir em linhas mais baratas.

Depois de ficar sabendo sobre tudo isso, Eric Clapton deu sua opinião de forma resumida. "Eu não sei. Talvez, as guitarras possam ter chegado ao seu fim. É uma boa pergunta", disse, aos risos.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.