quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Especialistas explicam por que Axl Rose não manteve voz como Steven Tyler
quinta-feira, setembro 28, 2017


O site Catraca Livre entrevistou dois fonoaudiólogos para entender por que Axl Rose, vocalista do Guns N Roses, não conseguiu manter a sua voz como Steven Tyler, do Aerosmith, mesmo sendo 14 anos mais jovem que o veterano Tyler. Ambos demonstraram habilidades diferentes durante suas apresentações no festival Rock In Rio 2017.

Para a reportagem, dois especialistas foram ouvidos. São eles: a coordenadora do programa de pós-graduação em fonoaudiologia da PUC-SP, Marta de Andrada e Silva; e o professor de canto, mestrando em fonoaudiologia e autor do site Estúdio de Voz, Mauro Andrea.

Marta de Andrada e Silva explica que a voz, como o restante do corpo, sofre com o envelhecimento. Entretanto, segundo ela, "as vozes mais treinadas envelhecem menos".

"Cantores profissionais, e principalmente roqueiros, precisam de cuidados especiais, pois cantar é um gasto de energia e é necessário estar em boa forma física. O Axl está um pouco acabado. O aumento de peso e o sedentarismo prejudicam a voz", afirmou ela, que também destacou possíveis abusos de drogas e álcool - algo que teria marcado a trajetória de ambos os vocalistas.

Já Mauro Andrea destacou o hiato de "quase 10 anos" pelo qual passou o Guns N' Roses. "Quando voltou, estava totalmente sem preparo e sem o condicionamento que tinha antes. Duvido que ele (Axl) tenha ficado em casa estudando. Já o Aerosmith teve pausas curtas. O Steven Tyler teve vários problemas de voz, mas sempre corrigiu", disse.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.