quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Medina, que queria Metallica, fala sobre ausência de metal no Rock In Rio
quarta-feira, setembro 13, 2017


Desde que voltou a ser realizado no Brasil, a partir de 2011, o Rock In Rio lida com a questão das "figurinhas repetidas". Bandas que já se apresentaram no festival costumam retornar com certa frequência ao evento.

Por vezes, trata-se de algo compreensível: poucos artistas, na atualidade, são capazes de mobilizar um público do tamanho que o Rock In Rio comporta. Entretanto, há algumas escalações que geram polêmica - como a do Metallica, que veio três vezes para o evento em seguida, nos anos de 2011, 2013 e 2015.

- Veja também: 5 shows inesperados que o Rock In Rio trouxe ao Brasil

Apesar disso, o empresário Roberto Medina, idealizador do Rock In Rio, disse em entrevista ao Estadão que queria trazer o Metallica para a edição de 2017 do festival. E, aparentemente, nem a vinda da banda ao Lollapalooza Brasil, em março deste ano, atrapalharia o retorno de James Hetfield, Lars Ulrich e companhia.

"Eu queria o Metallica mais uma vez, mas minha própria equipe falou: 'De novo?'. Agora, o pessoal reclama que não tem metal. Não tem porque só poderiam ser Metallica, AC/DC ou Iron Maiden", afirmou Medina.

O empresário também comentou sobre o retorno do Guns N' Roses ao festival, após a polêmica em torno do show de 2013 - a banda atrasou para entrar no palco e Medina chegou a dizer que não traria mais Axl Rose e sua trupe. "Guns é uma coisa meio maluca de ficar insistindo, tem uma relação mágica com o Rock In Rio. E esse ano tem uma excentricidade: The Who e Guns, dois headliners num dia só, o que é praticamente impossível em qualquer outro lugar. Não se ganha dinheiro com isso, se perde", disse.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.