quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Por que Ian Gillan não aprendeu as letras do Black Sabbath?
quarta-feira, novembro 01, 2017


O vocalista Ian Gillan, consagrado pelo trabalho com o Deep Purple, relembrou a sua breve passagem pelo Black Sabbath em entrevista ao canal do site Loudwire no YouTube (transcrição por Ultimate Guitar).

- Veja também: Glenn Hughes diz que foi 'estranho' cantar no Black Sabbath

Em determinado momento do bate-papo, Ian Gillan comentou sobre a dificuldade que tinha para memorizar algumas letras do Black Sabbath. "Desculpe, mas 'Iron Man' simplesmente não entrava. Não entendia. Minha cabeça não estava ajustada. Não era sobre as notas ou o estilo, eram as palavras, como se fosse... ahh!!", disse, concluindo com um gesto com as mãos envolvendo seu rosto, como se estivesse ficando louco.


O cantor reconheceu que foi uma atitude pouco profissional da parte dele. "Eu me guiava por uma cola. Consegui deixar folhas plastificadas com as letras. Ou os prompts", afirmou.

Caos em turnê

Gillan comentou, ainda, sobre o palco da turnê que divulgava o disco "Born Again". A cenografia contava com uma réplica de Stonehenge, além de um anão vestido como se fosse o filho de Satanás.

"Lembro quando os caras da produção perguntaram: 'alguém tem uma ideia para o palco'. E Geezer Butler disse: 'Stonehenge'. Eles disseram: 'boa ideia, como você visualiza isso?'. E ele disse: 'tamanho natural, é claro' (risos). Então fizeram isso, mas em uma escala de dois terços, ainda que fosse enorme o bastante. Foi feito de fibra de carbono ou fibra de vidro", disse.

Ele continua: "Tínhamos esse anão vestido como o bebê do Diabo, rastejando ao som de gritos. Deveria haver um ensaio para isso. Nesse ponto, o anão deveria cair atrás da bateria, em um colchão. Os roadies, então, chegam vestidos como druidas. [...] E havia o gelo seco, que também não foi ensaiado, inundando o palco".

A partir daí, tudo deu errado logo no início da turnê. "Foi o meu fim. O anão caiu, os druidas vieram, mas os gritos não paravam. E alguém da banda retirou o colchão. Fui para a frente do palco, tentando manter seriedade, e fui dominado pelo gelo seco. Não conseguia nem lembrar a letra da próxima música. As luzes do chão acenderam e não conseguia nem ver as folhas. Então canto só algumas palavras. Foi um momento mágico", afirmou, em tom de ironia ao fim.

Veja, a seguir, a entrevista na íntegra (em inglês e sem legendas).

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.