sábado, 9 de dezembro de 2017

Após câncer, Bruce Dickinson não ligou se voltaria ou não a cantar
sábado, dezembro 09, 2017


Depois de ter sido diagnosticado com câncer na língua, o vocalista Bruce Dickinson não se importou se o futuro de sua carreira na música estava em jogo. A afirmação foi feita em entrevista ao Full Metal Jackie, transcrita pelo Loudwire.

Durante o bate-papo, Dickinson foi questionado sobre a sua visão de mortalidade desde que foi diagnosticado com o câncer. Em resposta, ele afirmou que a mortalidade em si foi o que menos influenciou em sua abordagem após a doença.

"A ideia de ter medo de morrer é bem simplória, pois isso vai acontecer, de alguma forma, em algum momento. Então, tendo pensado um pouco 'oh meu Deus, eu posso morrer', depois você dá um passo para trás e se pergunta: 'você se sente doente?'. A resposta é: não muito, pelo menos não agora. Não vou morrer amanhã, nem na próxima semana. Então, o que mudou? Não muito. Exceto que você tem essa doença e precisa tentar se livrar dela", afirmou.

O cantor, então, filosofou que "o problema não está em morrer, mas, sim, em viver". "O fato de viver se torna ainda mais importante, porque foi incrível que quando tive o diagnóstico, eu fiquei surpreso. Não pensei que seria assim - achei que ficaria preocupado por nunca mais voltar a cantar. Mas, na verdade, eu não estava. Isso não me interessou minimamente", disse.

Bruce, então, elencou outras prioridades em sua vida. "Percebi que a vida e todos os seus aspectos dela, como crianças, família, levantar de manhã e ver o nascer do sol, cheirar as folhas no outono... tudo isso era mais precioso do que qualquer coisa a ver com trabalho ou algo do tipo. Acho que você deve tentar viver cada minuto", afirmou.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.