quinta-feira, 8 de março de 2018

Richie Faulkner joga gasolina na treta do Priest: 'sabemos o que K.K. insinuou'
quinta-feira, março 08, 2018


O guitarrista do Judas Priest, Richie Faulkner, afirmou, em entrevista ao Let's Rock, que todos entenderam o que K.K. Downing, ex-membro da banda, havia insinuado ao fazer seu recente comunicado nas redes sociais.

Pelo Facebook, K.K. Downing manifestou, pelas redes sociais, sua decepção com o Priest em não chamá-lo de volta para assumir a vaga deixada por Glenn Tipton - o músico aposentou-se das turnês graças ao Mal de Parkinson e foi substituído pelo produtor Andy Sneap.

Todavia, o trecho que mais chamou a atenção dos atuais membros do Priest foi uma série de elogios a Sneap - eles entenderam que Downing insinuou que as linhas de guitarra do álbum "Firepower", a ser lançado nesta sexta-feira (9), foram tocadas pelo produtor e não por Tipton.

Durante a recente entrevista ao Let's Rock, Richie Faulkner disse que nem Glenn Tipton, nem o Judas Priest "fariam algo para acabar com a integridade do que foi feito nos últimos 50 anos". "Glenn Tipton tocou todas as suas partes no disco. É a palavra final sobre isso. Não é exatamente o que digo, mas é a resposta e a verdade", afirmou.

Em seguida, Faulkner disse que tudo foi uma "tempestade em copo d'água". "Sei que Ken (K.K.) insinuou aquilo (que Andy Sneap tocou no disco) e ele meio que voltou atrás e disse que não era aquilo que ele queria dizer, mas todos sabemos o que ele insinuou. Sendo honesto, foi uma tempestade em copo d'água. O principal é que temos um grande disco pronto para ser lançado e é nisso em que estamos focados. E Glenn fez parte 1.000% disso, como sempre", comentou.

Entenda o caso

Por meio do Facebook, K.K. Downing reclamou sobre o fato de não ter sido chamado para substituir Glenn Tipton no Judas Priest.

Downing afirmou que, graças ao ocorrido, sabe "de forma mais clara do que nunca" que fez a coisa certa ao deixar a banda, após ter alegado que suas contribuições ao legado do Judas Priest "não são apreciadas por mais de um membro". Curiosamente, foi K.K. quem anunciou que deixaria o Priest, em 2011, após "diferenças" entre músicos, empresários e ele. A vaga foi assumida por Richie Faulkner.

Em entrevista ao programa "The Freaks with Kenny & Crash" (transcrição via Blabbermouth), o vocalista do Priest, Rob Halford, deu a sua versão sobre as acusações de K.K. Downing. Ele compreendeu de outra forma a declaração de que Andy Sneap "foi muito além do que apenas um produtor" em "Firepower".

"Um dos grandes méritos do Judas Priest é que nunca entramos neste tipo de ringue para bate-bocas públicos. E é muito fácil cair nesta armadilha nestes tempos de redes sociais. [...] Sobre o que foi falado, a maior parte, para mim, não tem importância. Mas há algo que devo esclarecer é que as insinuações de que Andy Sneap fez as partes de guitarra de Glenn no 'Firepower' são falsas, porque eu estava com Glenn quando ele gravava a guitarra e ele trabalhou muito duro. Imagine um cara com 10 anos de Mal de Parkinson. Nunca vi alguém tão corajoso frente ao fato de que cada música era um desafio para ele, mas ele conseguiu, dia após dia", disse.

Após a resposta de Halford, Downing disse, também pelo Facebook, que foi "mal-interpretado" por suas declarações. "Apenas para esclarecer que meus elogios a Andy Sneap não foram além do que eu já tenha dito sobre qualquer outro produtor guitarrista que tenha contribuído mais do que o esperado aos nossos discos passados", disse. Em seguida, K.K. citou nomes como o falecido Chris Tsangarides e Roy Z, que, segundo ele, "não apenas produziram, como também contribuíram com ideias de músicas, riffs, licks, ideias de letras, entre outros". "Consequentemente, álbuns como 'Painkiller' e 'Angel Of Retribution' não seriam os mesmos sem eles", afirmou.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.