segunda-feira, 26 de março de 2018

Os 70 anos de Steven Tyler, um dos grandes rockstars da história
segunda-feira, março 26, 2018

Foto: Zack Whitford / divulgação
Steven Tyler é um dos poucos astros do rock que pode dizer que passou por todos os estágios - dos mais confortáveis aos mais perigosos - de uma carreira na música.

Nascido em 26 de março de 1948, o vocalista do Aerosmith veio de baixo e lutou muito para atingir o estrelato, mas o conquistou na metade da década de 1970. O cantor afundou-se em drogas, passou por um período em ostracismo, mas se recompôs e voltou ainda mais afiado. Teve diversas brigas com seu principal parceiro musical - o guitarrista Joe Perry -, porém, fez as pazes e seguem juntos. Lançou discos aclamados e contestados, atuou dentro e fora do rock e interagiu até com elementos fora da música, como TV e cinema. Tyler fez de tudo e se orgulha disso.



Filho de um pianista, Steven Tyler teve contato com a música desde cedo, o que explica suas habilidades como multi-instrumentista, além do domínio vocal que mantém até os dias de hoje. Aos 22, montou o Aerosmith com Joe Perry, o também guitarrista Brad Whitford, o baixista Tom Hamilton e o baterista Joey Kramer. Trata-se de um dos quintetos mais sólidos e longevos do rock - tirando o tóxico período entre 1979 e 1984, quando Perry e Whitford ficaram fora, os cinco sempre estiveram juntos.

Aerosmith, dono da única música de rock a estrear em 1° nas paradas dos EUA

Com seus asseclas, Steven Tyler gravou discos como "Toys in the Attic" (1975) e "Rocks" (1976), verdadeiras bíblias do hard rock setentista, e a trinca "Permanent Vacation" (1987), "Pump" (1989) e "Get A Grip" (1993), que ensinam, perfeitamente, como trazer uma banda anteriormente consagrada de volta ao sucesso. Na trajetória do Aerosmith, há, ainda, outros trabalhos de destaque, como os dois primeiros registros, os contestados "Nine Lives" (1997) e "Just Push Play" (2001) e o belíssimo "Honkin' On Bobo" (2004), composto por regravações de blues que mostram de onde veio o groove dos caras.



Mesmo fora do rock, Steven Tyler sabe o que faz. Ele lançou um bom disco country em 2016, intitulado "We're All Somebody from Somewhere", além de singles mais orientados ao pop. Aliás, cabe destacar: embora o blues sempre tenha regido o hard rock do Aerosmith, o tempero radiofônico foi o que trouxe, manteve e resgatou a banda ao estrelato.

Os vários instrumentos que Steven Tyler toca nos discos do Aerosmith
Reflexões sobre "Rocks" e "Pump", os dois auges do Aerosmith

Além de ter uma discografia consistente, Steven Tyler é incontestável nos palcos. Não é chamado de "Demon of Screamin'" ("Demônio dos Gritos", em tradução livre) à toa: sua voz tem extensão incrível e timbre único. E, talvez por alguma mutação - só assim para explicar -, Tyler preservou boa parte de sua potência vocal mesmo após entrar na terceira idade, calvário para muitos cantores do rock.



Assisti ao Aerosmith ao vivo duas vezes, em 2013 e 2016, e, em ambas as ocasiões, Steven soou incrível. É um dos poucos shows de rock que recomendo a presença de qualquer pessoa.

Especialistas explicam por que Axl Rose não manteve voz como Steven Tyler

Por ser tão seguro de si, Steven Tyler chega a ser egocêntrico. A autobiografia "O barulho na minha cabeça te incomoda?" e relatos de colegas de banda e de rock and roll apenas corroboram esse ponto de vista. Todavia, não o culpo: desde que não prejudicasse a vida de ninguém, eu agiria dessa mesma forma se fosse Steven Tyler.

Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.