domingo, 11 de março de 2018

Cristãos fanáticos 'pecam' ao julgarem o Stryper, diz Michael Sweet
domingo, março 11, 2018


Em entrevista ao Noize In The Attic (transcrição via Blabbermouth), o frontman Michael Sweet fez uma crítica aos cristãos fervorosos que falam mal de sua banda, o Stryper. Sweet conversou sobre o assunto após ser questionado, inicialmente, sobre o single mais recente do grupo, "Take It To The Cross" - do vindouro álbum "God Damn Evil" -, que teve reações divididas do público após seu lançamento.

"A raiz do problema é que quando as pessoas ouviram a música... quem não gostou, foi porque ela é a coisa mais distante que poderiam ter pensado que faríamos. As pessoas esperam vocais angélicos no Stryper e, provavelmente, esperavam uma harmonia e um coro mais melódico. Só queríamos fazer algo diferente, obscuro, único. Ame ou odeie, estamos tentando coisas diferentes. Quando ouvirem o disco todo, vão pegar um pouco do Stryper clássico", disse Michael, inicialmente.



Em seguida, o cantor foi direto ao ponto ao comentar sobre os julgamentos feitos pelos fãs. "Queremos fazer os fãs felizes, mas também temos que estar felizes. O fato de cantarmos sobre Deus e falarmos sobre nossa fé faz com que apareçam alguns cristãos conservadores e fanáticos que começam a nos atacar. Eles estão nos denegrindo, fazendo a mesma coisa de que nos acusam, e estão pecando, porque estão nos julgando. É muito engraçado. E é muito triste, na verdade", afirmou.

O comportamento negativo vem, segundo Sweet, das redes sociais. "Acabei de postar no meu Facebook: 'ei, aqui está a nossa nova música, confiram'. A maioria das pessoas escreveu: 'Oh, legal, mal podemos esperar'. E então aparece alguém: 'é horrível, uma m*rda, odeio isso, o que aconteceu com vocês?'. E eles se dizem cristãos. Eu penso: 'uau, em que mundo vivemos para que as pessoas achem que têm o direito de fazer isso?'", pontuou.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.