quarta-feira, 25 de abril de 2018

Cena do filme 'Rock Star' resume saída de Tony Harnell do Skid Row
quarta-feira, abril 25, 2018


O vocalista Tony Harnell disse, em entrevista ao podcast "The Classic Metal Show" (transcrição via Blabbermouth), que ser o vocalista do Skid Row foi uma "grande experiência", mas revelou os problemas que o fizeram deixar a banda. Harnell entrou para o grupo em abril de 2015, no lugar de Johnny Solinger, e saiu em dezembro do mesmo ano - a vaga foi ocupada por ZP Theart.

"Foi uma grande experiência. Fiz vários shows nos Estados Unidos, algo que não fazia há muito tempo com o TNT com exceção dos meus shows solo acústicos. Foi muito bom me reconectar com vários fãs americanos. [...] Não vou entrar nos detalhes sujos em si, mas foi uma boa experiência", disse Harnell, inicialmente.

- Por que a reunião do Skid Row com Sebastian Bach não deve rolar

Em seguida, o cantor destacou que uma entrevista anterior do guitarrista Dave "The Snake" Sabo evidenciou o motivo pelo qual ele saiu. "Quando ouvi a entrevista, me lembrei daquela cena daquela cena do filme 'Rock Star' quando eles dão uma pausa e vão ao estúdio. O personagem de Mark Wahlberg vai ao estúdio com todas as coisas que ele compôs. Aquilo não foi exatamente como eu, mas o guitarrista o leva a outra sala e diz: 'é muito legal que você esteja trabalhando nessas coisas, mas enquanto estiver no Steel Dragon, fará as coisas do Steel Dragon'. E aquilo resume tudo sem que me envolva. E está tudo bem, é compreensível, e não tenho nada a acrescentar além disso", afirmou.

Harnell contou que o trabalho com o Skid Row foi diferente por um aspecto em especial. "Você tem que entender que foi a primeira vez, de verdade, desde que entrei em bandas de material próprio, que eu estava cantando músicas de outras pessoas. E está tudo bem - foi para isso que fui contratado, então meio que sabia disso. Esperava gravar algum material inédito e sei que, possivelmente, faríamos isso", disse.

Apesar do ocorrido, o vocalista revelou ter "muito respeito e admiração" pelo Skid Row e seus integrantes. "Acho que estávamos em páginas diferentes, na falta de uma melhor expressão. E é isso. Sem ressentimentos ou animosidade de minha parte. Se eu fizesse isso de novo, a única coisa que mudaria é que eu teria saído de forma diferente e com um pouco mais de reflexão. Acho que deixei as emoções falarem mais alto. Foi por volta das festas de fim de ano e foi abrupto, não foi da melhor maneira. Mas está no passado. Eles estão, obviamente, indo bem", afirmou.

* Siga IgorMiranda.com.br no InstagramFacebook e Twitter.
Igor Miranda Jornalista natural de Uberlândia (MG). Apaixonado por rock há mais de uma década, começou a escrever sobre música desde 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Co-fundou e integrou o site Van do Halen até o ano de 2013 - apesar de ainda manter uma coluna, chamada "Cabeçote" e publicada sempre nas noites de segundas-feiras. Atualmente é redator-chefe da área editorial do site Cifras, afiliado ao R7. Trabalhou como repórter do jornal Correio de Uberlândia entre 2013 e 2016.