Hard singular do The Answer amadurece e ganha potência em novo disco


The Answer: "Raise A Little Hell" (2015)

Somente o rock a partir do século XXI permite que bandas com cinco discos lançados e dez anos de carreira ainda sejam chamadas de "novas". Talvez seja a eterna espera por uma nova década de 1980 ou algo do tipo.

É impossível chamar o The Answer de novo. Eram quatro ótimos álbuns lançados até a chegada de "Raise A Little Hell". Agora são cinco. Até o criticado antecessor "New Horizon" (2013), que enveredou para algumas influências menos rústicas, é ótimo.

Mas é inegável que "Raise A Little Hell" parece estar um patamar acima dos outros trabalhos lançados pelo grupo. A pegada meio setentista, meio bluesy e meio hippie dos três primeiros discos ficou um pouco de lado, apesar de ser o principal norte do quarteto. Um pouco da contemporaneidade de "New Horizon" foi aproveitada e, principalmente, amadurecida nas novas composições.



O resultado é um apanhado de músicas com a grandiosa voz de Comac Neeson aliadas a uma sincronia rítmica proporcionada pelo baixista Micky Waters e pelo baterista James Heatley - apesar da prática do feijão-com-arroz vir sempre em primeiro lugar - e, especialmente, um grande trabalho de Paul Mahon nas seis cordas. O guitarrista saiu do básico riff/solo e apostou em algumas camadas sonoras melhor trabalhadas, com pistas mais elaboradas.

Há momentos de flerte com vertentes mais grudentas do hard rock, como na abertura "Long Live The Renegades", alguns momentos mais pop rock como em "Cigarettes & Regret" e "Gone Too Long" e passagens mais pesadas em "Whiplash" e "I Am Cured". O grupo proporcionou, também, faixas que poderiam estar nos primeiros discos, como "The Other Side" e "Aristocrat". Vale destaque, ainda, para "Strange Kinda' Nothing", balada de ótimo gosto guiada por boa execução de violões. Um ou outro momento soa deslocado, como a densa e estática "Last Days Of Summer", mas não chega a comprometer ou gerar repulsa.



Mesmo com muita qualidade e, provavelmente, com um dos melhores momentos do The Answer, "Raise A Little Hell" não deve fazer sucesso fora da Grã-Bretanha (eles são da Irlanda do Norte) e deve chegar bem a alguns países europeus. No entanto, infelizmente, deve ser tudo. É um grande desperdício, aliás, que a banda Answer não tenha chegado a ter grande repercussão no mercado mundial. Houve uma tentativa com "Everyday Demons" (2009), lançado nos Estados Unidos, mas tudo isso foi feito sem o auxílio de um grande nome da indústria fonográfica.

Que "Raise A Little Hell" sirva de exemplo para que alguma grande gravadora invista nessa ótima banda. Se não servir, não me incomodo: vou continuar buscando por seus lançamentos praticamente bienais com a mesma empolgação - pois é bom de verdade.

Nota 9



Cormac Neeson (vocal, gaita)
Paul Mahon (guitarra, violão)
Micky Waters (baixo)
James Heatley (bateria)

01. Long Live The Renegades
02. The Other Side
03. Aristocrat
04. Cigarettes & Regret
05. Last Days Of Summer
06. Strange Kinda' Nothing
07. I Am What I Am
08. Whiplash
09. Gone Too Long
10. Red
11. I Am Cured
12. Raise A Little Hell


Hard singular do The Answer amadurece e ganha potência em novo disco Hard singular do The Answer amadurece e ganha potência em novo disco Reviewed by Igor Miranda on quarta-feira, abril 01, 2015 Rating: 5