Os 50 melhores discos de hard rock do século 21


Impulsionado pela recente lista da Metal Hammer, com os 100 melhores discos de rock/metal do século 21, e pelos debates com os colegas tuiteiros @twiterdomumu, @loquillopanama, @hardrockforever e @leomelotweets, decidi escolher os meus 50 álbuns de hard rock preferidos lançados de 2000 até então. Encurtei de 100 para 50 porque, para mim, se a contagem aumentasse, vários trabalhos medianos acabariam entrando para completar o ranking.

Listas dessa magnitude oscilam ao longo do tempo. Não só porque outros ótimos trabalhos serão lançados nos próximos 83 anos e quatro meses, mas também porque os gostos mudam. Até pouco tempo atrás, a configuração poderia ter sido diferente.

Além disso, os conceitos de hard rock diferem entre cada um. Gosto muito do disco de estreia do Alter Bridge, por exemplo, mas não o considerei hard rock, diferente de como muitos outros podem titular.

Por isso, não leve essa publicação tão a sério. Aproveite para conhecer novas bandas, sugerir outros discos nos comentários e, quem sabe, fazer a sua própria lista.

Veja abaixo os 50 melhores discos de hard rock do século 21 (até agora) na minha opinião:

50. Queen + Paul Rodgers - "The Cosmos Rocks" [2008]: com uma digestão difícil de início, "The Cosmos Rocks" tem mais Paul Rodgers do que Queen. E isso não é nada negativo. A pegada hard rock ganhou uma pitada considerável de blues e mostrou Brian May e Roger Taylor em novos terrenos. Vale a pena ouvir.


49. Airbourne - "Black Dog Barking" [2013]: o "novo AC/DC" só conseguiu se descolar dessa titulação em "Black Dog Barking", que tem um pouco mais do Airbourne. A essência ainda é o hard rock direto com influência do grupo australiano, mas com mais espaço para que Joel O'Keeffe brilhe nos vocais.


48. Hardcore Superstar - "Beg For It" [2009]: um dos discos mais pesados do Hardcore Superstar, "Beg For It" flerta com o heavy metal em diversos momentos, sem abandonar a pegada sleaze rock que consagrou o grupo. Gostaria que essa linha fosse seguida em lançamentos seguintes, mas os suecos se perderam dentro de seus próprios trabalhos.


47. Foxy Shazam - "The Church Of Rock N' Roll" [2012]: as influências de The Darkness (e, consequentemente, de Queen), pulsam no Foxy Shazam. "The Church Of Rock N' Roll" resume essa pegada com uma sonoridade mais condizente com a década atual. Além disso, a banda acertou no repertório, o que é essencial.


46. We Are Harlot - "We Are Harlot" [2015]: o frescor do contemporâneo e o brilho dos dias de ouro do rock de arena. Isso resume o We Are Harlot, que merece destaque mesmo com apenas um disco lançado até então.


45. Million Dollar Reload - "A Sinner's Saint" [2012]: o Million Dollar Reload é a grande banda de hard rock que o mundo nunca teve. São somente dois álbuns lançados - e "A Sinner's Saint" é o de maior destaque. É como um Buckcherry com mais gancho, guitarra e malemolência.


44. Jettblack - "Raining Rock" [2012]: grata surpresa contemporânea, o Jettblack existe há menos de 10 anos e lançou três ótimos discos desde então. O melhor, para mim, é "Raining Rock" [2012]. Aqui, a banda não inova, mas foi capaz de desenvolver uma sonoridade característica sem se cravar como “o novo Guns N’ Roses” ou “o novo AC/DC”, por exemplo. Créditos, especialmente, para a voz peculiar de Will Stapleton.


43. Gotthard - "Lipservice" [2005]: Steve Lee faz muita falta. Conheço Gotthard há quase 10 anos e até hoje me impressiono com a voz do falecido cantor. O que conforta, por outro lado, é que Lee deixou nove discos de alto nível com sua banda. O melhor do século 21, para mim, é "Lipservice" – pelo repertório, já que, em termos de sonoridade, são poucas as diferenças com relação aos antecessores.


42. Rival Sons - "Great Western Valkyrie" [2014]: hard rock bluesy é a pegada do Rival Sons, que, em "Great Western Valkyrie", tem o seu ponto alto. A voz aveludada e comercial de Jay Buchanan é o destaque aqui.


41. The Black Crowes - "Warpaint" [2008]: até para reciclar algo feito no passado, é necessário ser competente. Caso do The Black Crowes, que, em "Warpaint", não reinventa a roda. Pelo contrário: escancara a influência dos Rolling Stones, do blues e do country rock em sua sonoridade. Ainda assim, consegue ter uma sonoridade de excelência. Poucos no rock compõem como a dupla de irmãos Chris e Rich Robinson.


40. Crashdïet - "Rest In Sleaze" [2005]: demorei muito para conseguir assimilar o Crashdïet. Depois que entendi o conceito da banda, passei a admirá-la mais. "Rest In Sleaze" é uma espécie de bíblia do sleaze rock contemporâneo. Apesar dos exageros que o glam por vezes permite, trata-se de um disco consistente e forte do início ao fim. Uma pena que Dave Lepard tenha ido embora tão cedo.


39. Chickenfoot - "Chickenfoot" [2009]: raro caso em que um supergrupo soa tão entrosado quanto nos projetos que consagraram os envolvidos. "Chickenfoot" apresenta um hard rock suingado que chega a ser descompromissado. Seduz desde a primeira audição.


38. Wolfmother - "Wolfmother" [2005]: o heavy rock do Wolfmother fez história graças ao seu disco de estreia. Até hoje, a fórmula da banda, uma das responsáveis por dar início a uma espécie de movimento "revival" dentro do rock, é copiada por outros grupos pelo globo. Não é à toa: o debut do trio é conciso, tem bons refrães e riffs e impressiona pela voz aguda de Andrew Stockdale.


37. Imperial State Electric - "Honk Machine" [2015]: em seu quarto disco, o Imperial State Electric, aperfeiçoou a sua sensacional mistura entre rock clássico, hard rock e o power pop da década de 1960. Bom disco.


36. Santa Cruz - "Santa Cruz" [2015]: o hard rock do Santa Cruz flerta com o metal contemporâneo. A banda é farofa só no visual e prova isso em seu segundo disco. Filhos bastardos do Skid Row de "Slave To The Grind".


35. Devil's Train - "Devil's Train" [2012]: o debut do Devil's Train é consistente. Hard n’ heavy pesado e visceral, com guitarras dropadas, cozinha pulsante, vocais adequados e muita pegada. Pena que não segurou a peteca no álbum seguinte.


34. Halestorm - "The Strange Case Of..." [2012]: o Halestorm surgiu como um sopro de ar fresco em um gênero tão desgastado. Sem endeusar suas referências, o Halestorm é um dos poucos grupos atuais que conseguiu chegar a uma sonoridade original. "The Strange Case Of...", segundo disco da banda, apresenta uma mistura entre hard rock, heavy metal e algo contemporâneo pelo caminho. Ganha dos demais álbuns da discografia pelo repertório acima da média.


33. Tyketto - "Dig In Deep" [2012]: ainda mais próximo do AOR, o Tyketto apresentou um repertório bem melódico em "Dig In Deep". A voz de Danny Vaughn já é o suficiente para valer uma posição nessa lista.


32. Winger - "Better Days Comin'" [2014]: a união entre peso e melodia caracterizou os primeiros trabalhos do Winger. No entanto, a fórmula só voltou a ser bem reproduzida em "Better Days Comin'". A banda voltou a soar como banda.


31. The Defiants - "The Defiants" [2016]: pensei que nunca veria o vocalista Paul Laine com algum integrante do Danger Danger desde sua saída, em 2004, para o retorno de Ted Poley. Ainda bem que o projeto The Defiants veio à tona. Laine se juntou a Bruno Ravel e Rob Marcello para um novo álbum. A ideia foi da gravadora Frontiers Music, mas os méritos são dos envolvidos: fizeram um disco de hard rock melódico para ninguém botar defeito. Para mim, o melhor trabalho de Paul Laine até hoje.


30. Wig Wam - "Wig Wamania" [2006]: o Wig Wam tem um quê de zoeira em sua essência, no entanto, diferente do Steel Panther, não se torna um projeto-sátira. "Wig Wamania" é a prova disso: todos os clichês do hair metal são reproduzidos por aqui, mas com a competência necessária para ter qualidade. Apesar de não ser nada inovador, "Wig Wamania" tem um repertório muito acima da média.


29. Backyard Babies - "Four By Four" [2015]: os músicos do Backyard Babies ficaram cinco anos separados antes de "Four By Four". E o hiato fez bem. O hard rock com pegada punk e refrães fortes ganhou um aditivo com o repertório inspirado.


28. The Dead Daisies - "Revolución" [2015]: outra banda que me complicou na escolha do disco representante para a lista. Enquanto o debut, de 2013, tem uma veia mais classic rock, "Revolución" apresenta um hard rock mais grosseiro, de timbragens gordas e consistentes. "Culpa" de John Corabi, que se juntou ao grupo a partir de 2015. A presença de músicos como Marco Mendoza, Richard Fortus e Dizzy Reed na line-up enriquece ainda mais o projeto.


27. H.E.A.T. - "Tearing Down The Walls" [2014]: com a assinatura do hard rock sueco, o H.E.A.T. é um dos grandes nomes atuais do estilo. Difícil escolher entre seus quatro álbuns de estúdio, mas o mais recente, "Tearing Down The Walls", é o que tem melhor repertório, na minha opinião. A maturidade dos músicos também pesa nesse ponto.


26. Trixter - "New Audio Machine" [2012]: raro caso de uma banda da década de 1980/1990 que conseguiu melhorar nos últimos anos. "New Audio Machine" mostra muita consistência. Hair metal de primeira qualidade.


25. Hell In The Club - "Shadow Of The Monster" [2016]: formado por membros do formado por integrantes do Elvenking e Secret Sphere, o Hell In The Club atingiu o seu auge em "Shadow Of The Monster", terceiro disco. Hard n' heavy com refrãos ganchudos, riffs cortantes e trabalho de criação apurado. Impressiona muito.


24. W.A.S.P. - "Babylon" [2009]: o hard n' heavy do W.A.S.P. atingiu um patamar diferenciado em "Babylon". A pegada oitentista se mesclou com a necessária atualização e proporcionou um bom repertório, com um Blackie Lawless afiadíssimo.


23. Aerosmith - "Music From Another Dimension" [2012]: apesar de ter muitas baladinhas (o que não deu uma posição tão alta nessa lista), "Music From Another Dimension" é um bom disco. Os momentos mais roqueiros revivem os bons tempos da banda e mostra um vocal mais rouco - e simplesmente incrível - de Steven Tyler.


22. The Temperance Movement - "The Temperance Movement" [2013]: uma das escolhas mais underground dessa lista, o Temperance Movement propõe um híbrido entre hard rock de influência setentista e southern rock – com as pitadas irresistíveis de blues e country que dão a tônica do gênero em questão. O primeiro disco do grupo é bem produzido e se divide muito bem entre boas baladas e ótimas pauladas, sem abrir mão dos ganchos melódicos.


21. Ace Frehley - "Space Invader" [2014]: típico disco que passei a gostar ainda mais ao longo do tempo. "Space Invader" traz o Spaceman que todos os fãs queriam ver desde a década de 1990.


20. Sebastian Bach - "Angel Down" [2007]: o último bom disco de Sebastian Bach mostra a sua faceta metálica aliada ao típico hard rock que praticou ao longo de sua carreira. "Angel Down" é denso, intenso e segura a peteca da primeira até a última faixa.


19. Alice Cooper - "Welcome 2 My Nightmare" [2011]: a parceria entre Alice Cooper e Bob Ezrin, geralmente, funciona. Não foi diferente em "Welcome 2 My Nightmare", melhor disco desde "The Last Temptation" [1994]. Produção e repertório em níveis acima da média.


18. Whitesnake - "Good To Be Bad" [2008]: desde que se dissolveu em 1990, o Whitesnake se reuniu duas vezes – 1994 e 1997. Mas somente em seu último retorno, em 2002, voltou como uma banda. "Good To Be Bad" tardou, mas não falhou: lançado seis anos após o retorno definitivo do grupo, mostrou a força da parceria entre David Coverdale e Doug Aldrich. A nova fase do Whitesnake em estúdio, complementada por "Forevermore" [2011], é tão boa quanto os seus dias de ouro.


17. Velvet Revolver - "Contraband" [2004]: o Velvet Revolver saciou a vontade que muitos fãs tinham em ver músicos como Slash e Duff McKagan fazendo um som mais pesado. A parceria com o falecido Scott Weiland caiu bem. "Contraband" propõe um hard rock denso, por vezes grosseiro, mas altamente sedutor.


16. Richie Kotzen - "Into The Black" [2006]: o álbum mais melancólico de Richie Kotzen é, para mim, o melhor dele no século. "Into The Black" é denso e carregado. A atmosfera fez com que Kotzen se mostrasse ainda mais incrível como compositor, já que há letras e melodias incríveis e até imprevisíveis por aqui.


15. Stone Gods - "Silver Spoons & Broken Bones" [2008]: quando o The Darkness se dissolveu, os músicos que cuidavam do instrumental da banda resolveram montar outro projeto sem Justin Hawkins. Richie Edwards, baixista, assumiu os vocais. Daí saiu o Stone Gods, que, infelizmente, só lançou um disco. "Silver Spoons & Broken Bones" é um disco de hard rock cru e direto, sem os exageros do Darkness. Flertes com o heavy metal são frequentes por aqui. Vale a pena ouvir.


14. Mr. Big - "What If..." [2011]: o Mr. Big se separou em 2002, mas sempre imaginei que voltariam – e com Paul Gilbert na guitarra. "What If..." mostra porque o quarteto voltou: eles se completam perfeitamente quando tocam juntos. O disco seguinte, "...The Stories We Could Tell" [2014], também é ótimo, mas não supera esse petardo.


13. Danger Danger - "Revolve" [2009]: o disco mais AOR do Danger Danger é, também, um de seus mais consistentes. E olha que estamos falando de uma discografia sem pontos fracos. "Revolve" consolida a fórmula da banda: composições de Bruno Ravel e Steve West, feitas para que o guitarrista e o vocalista (na ocasião, Rob Marcello e Ted Poley) brilhem. Funcionou.


12. Guns N' Roses - "Chinese Democracy" [2008]: o controverso "Chinese Democracy" ganhou espaço na minha playlist ao longo dos anos. Além de ser um disco, é um retrato da conturbada vida de Axl Rose entre o fim do "Guns N' Roses original" e a consolidação de seu novo projeto, mais de uma década depois. As composições são o ponto forte do trabalho.


11. Black Country Communion - "Afterglow" [2012]: o BCC era um supergrupo de muita qualidade, mas, às vezes, prolixo. Em "Afterglow", a banda ficou mais direta, adquiriu uma pegada mais autêntica e passou a destacar ainda mais as guitarras de Joe Bonamassa. Disco classudo.


10. The Answer - "Rise" [2006]: o The Answer soa como uma banda da década de 1970, mas sem tentar ser lo-fi. O debut "Rise" é poderoso, pulsante e tem a pegada bluesy que todo fã do hard setentista adora - só que claramente gravado e lançado em 2006.


09. Lenny Kravitz - "Black And White America" [2011]: tive receio em colocar esse disco nessa lista. O hard rock é apenas um ingrediente no caldeirão de Lenny Kravitz em "Black And White America". Mas vale uma audição para se compreender que vale a pena deixá-lo nesse ranking. Em um álbum híbrido, rock, soul, funk e black music se misturam e compõem o melhor trabalho de Kravitz em sua carreira.


08. AC/DC - "Rock Or Bust" [2014]: mesmo com todas as dificuldades passadas na década de 2010, o AC/DC se provou forte em "Rock Or Bust". Mais cru que "Black Ice", o 15° disco dos australianos é curto e grosso: 34 minutos de pancada.


07. Van Halen - "A Different Kind Of Truth" [2012]: o hard fanfarrão, performático e focado nas guitarras marca presença em "A Different Kind Of Truth". Não deixa a desejar em nada quando comparado aos discos clássicos. E como é bom ouvir Eddie Van Halen tocar...


06. Slash - "Slash" [2010]: o receio de começar uma carreira solo fez com que Slash só desse início a um projeto do tipo mais de 10 anos após sair do Guns N' Roses. Valeu a pena esperar. "Slash" é um álbum incrível. Cantores de diferentes gêneros musicais participaram do repertório. De Ozzy Osbourne a Adam Levine, todos arrebentam nesse disco.


05. The Darkness - "Permission To Land" [2003]: o The Darkness apresentou muito mais do que um "hard rock revival" em seu disco de estreia. O quarteto britânico dos irmãos Hawkins soube trabalhar com influências de grupos antigos ao invés de cópias descaradas. O resultado foi "Permission To Land", um álbum consistente, poderoso e com músicas incríveis.


04. Mötley Crüe - "Saints Of Los Angeles" [2008]: não é exagero pensar que "Saints Of Los Angeles" será o último disco do Mötley Crüe. A banda se aposentou das turnês e, quando lançou material depois de 2008, se contentou com singles. Triste, porque "Saints Of Los Angeles" é um disco grandioso. O hard festeiro e direto do Crüe ganhou um ar contemporâneo, necessário para que o álbum não fosse somente uma festa retrô.


03. Ratt - "Infestation" [2010]: o Ratt demorou 26 anos para fazer um disco tão bom quanto "Out Of The Cellar" [1984]. Mas o fez. "Infestation" mostra a maturidade conquistada pela banda, que sempre teve pitadas generosas de heavy metal em seu hard rock, mas era ignorada pelos metálicos graças ao sucesso que fez com o visual glam e os hits radiofônicos. Tudo soa perfeito aqui: instrumentos, produção, vocais e composições.


02. KISS - "Monster" [2012]: apesar de não ter me conquistado de primeira, "Monster" se tornou, para mim, o melhor disco do KISS desde "Revenge" [1992]. A banda, enfim, retomou a pegada setentista e adequou ao contemporâneo, sem reinventar a roda. As boas composições de Gene Simmons e Paul Stanley aliadas à ótima performance de Tommy Thayer e Eric Singer garantem o charme desse álbum.


01. The Winery Dogs - "The Winery Dogs" [2013]: provavelmente o disco que mais ouvi nos últimos três anos. O Winery Dogs é um power trio de talentos individuais que conseguiu se potencializar em conjunto. Hard rock heterogêneo, com momentos virtuose e soul/black music, além da impressão digital de Richie Kotzen. Incrível.


Leituras recomendadas:

- Os 100 melhores álbuns de hard rock do século 21 na visão de Murilo Tinoco
- 15 bons discos de hard rock da 2ª metade da década de 1990
Os 50 melhores discos de hard rock do século 21 Os 50 melhores discos de hard rock do século 21 Reviewed by Igor Miranda on segunda-feira, agosto 01, 2016 Rating: 5