John Corabi reconhece que sempre será um asterisco no Mötley Crüe


O vocalista John Corabi falou, em entrevista ao podcast da revista "Heavy" transcrita pelo Blabbermouth, sobre a sua passagem pelo Mötley Crüe, na vaga de Vince Neil, entre os anos de 1992 e 1997. O bate-papo rolou antes de "The Dirt", cinebiografia sobre a banda, estrear na Netflix.

Corabi falou sobre as suas pretensões a respeito do filme. "Se eu não estiver no filme, tudo bem. Se eu estiver, tudo bem. Só espero que se eu estiver, não me façam parecer um idiota ou um c*zão. Não importa se estarei no filme ou não. Os quatro caras que venderam mais e criaram o legado do Mötley Crüe foram Vince, Nikki (Sixx, baixista), Tommy (Lee, baterista) e Mick (Mars, guitarrista). Preciso estar no filme? Provavelmente, não", afirmou. A essa altura, ele deve saber que foi interpretado rapidamente por Anthony Vincent (do canal de YouTube "Ten Second Songs") sem nenhuma fala no roteiro.

O cantor reconhece que sua passagem pela banda é como um "asterisco" na história dela. "Sei que muitos fãs gostaram do disco que fiz com eles e que alguns não gostaram. Ainda hoje, há fãs que se negam a ouvir por não ter Vince. É a beleza da escolha. Não me ofende, mas tenho orgulho do que fiz com os caras. Eu me diverti e, em certo ponto - não apenas por isso -, estar no Mötley ajudou um pouco a minha carreira a ter longevidade. Sempre serei o asterisco, o outro cara, mas a vida é boa, cara", disse ele.

A história de Greg Leon, o primeiro guitarrista do Mötley Crüe

Durante o bate-papo, John Corabi ainda relembrou como ele conseguiu a vaga de Vince Neil. "Há quem conspire sobre Nikki saber que a era grunge estava chegando e o Mötley não iria a lugar algum, então, chamariam um cara que fosse capaz de passar por isso. Que seja. Estávamos em um estúdio tocando e criando coisas que achávamos incríveis. Não havia um plano, como fazer um disco mais pesado. Simplesmente aconteceu, porque quando eu também assumi a guitarra, o som ficou mais pesado. E embora eu me inspire nos Beatles para compor, sempre fui um cara do Led Zeppelin, com riffs grandiosos. Meu álbum do Mötley é isso. Para mim, é um cruzamento entre Led Zeppelin, Black Sabbath e Beatles acústico, enfim. Não planejamos", afirmou.

A saída, em 1997, também foi relembrada por Corabi. "Havia uma conversa de que Vince voltaria. Fui ensaiar e vi os empresários e advogados. Pensei: 'uh-oh, isso não vai acabar bem'. Foi quando me contaram. Muitos não notam, mas eu fiquei na banda por cinco anos e, basicamente, falaram: 'ei, cara, obrigado, nós te adoramos, mas a gravadora não vai apoiar essa versão da banda'. E saí pela porta. Foi repentino, mas, ao mesmo tempo, não foi, porque havia o burburinho. Eu ia a algum bar e as pessoas diziam ter visto Tommy e Nikki com Vince. Eu dizia: 'o quê?'. Havia o rumor, então, eu achei que logo aconteceria, mas foi definitivo quando vi os advogados", disse.

John Corabi explica fiasco comercial do disco "Mötley Crüe", de 1994

Após o Mötley Crüe, John Corabi integrou outros projetos como Union, Eric Singer Project e Twenty 4 Seven, além do Brides Of Destruction e Ratt, ambos como guitarrista. Hoje, Corabi é o frontman do The Dead Daisies e mantém carreira solo.
John Corabi reconhece que sempre será um asterisco no Mötley Crüe John Corabi reconhece que sempre será um asterisco no Mötley Crüe Reviewed by Igor Miranda on sábado, março 23, 2019 Rating: 5

Nenhum comentário